Reforço do Palmeiras, Tabata saiu brigado do Atlético-MG para Portugal

Tabata
Foto: Divulgação

Com desfalques, o Palmeiras recebe o Goiás amanhã (7), às 16h00, no Allianz Parque, em partida válida pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras lidera a competição, com 42 pontos, sendo o time que mais venceu até agora.

Fora de campo, o time paulista trabalha em busca de novos reforços. O próximo deles será Bruno Tabata, que ainda não atuou profissionalmente no Brasil, mas deve vir ao país nos próximos dias para concluir a transferência.

Em 2015, das categorias de base do Atlético-MG, Tabata foi direto para o Portimonense (POR), numa transferência que teve confusão, litígio e, na época, foi muito sentida pelo time mineiro.

O jogador, que recebeu o apelido na infância pela semelhança física com o ex-jogador do Santos Rodrigo Tabata, era visto como a maior promessa do clube mineiro em muitos anos. Sob comando de Rogério Micale, que viria a ganhar o ouro olímpico com a seleção no ano seguinte, no Rio, Tabata foi, com o Atlético-MG, até as quartas de final da Copinha de 2015, quando foi eliminado pelo São Paulo.

O atleta teve uma boa participação na competição e já vinha sendo monitorado por clubes do exterior, especialmente de Portugal, desde que brilhara na Copa do Brasil Sub-17 em 2014. Em novembro de 2015, começaram os desentendimentos com a diretoria atleticana.

Tabata tinha contrato até o fim de março de 2016, mas manifestou o desejo de deixar o clube mineiro antes do fim do vínculo, diante das muitas sondagens que vinha recebendo. E ao solicitar uma transferência, acabou sendo afastado dos jogos do time, passando a apenas treinar com o elenco. Em dezembro, o Atlético conseguiu uma liminar na Justiça impedindo o jogador de assinar contrato com outro clube.

Por ser um atleta da base, seu contrato permitia, com uma cláusula de preferência, que o Galo tentasse igualar uma proposta salarial de outro clube, o que automaticamente renovaria seu vínculo com a equipe. Se mesmo com o salário igualado, Tabata quisesse sair, o clube mineiro deveria ser indenizado na transferência.

Em janeiro de 2016, o Portimonense protocolou junto à Federação Mineira de Futebol uma proposta salarial oficial de 20 mil euros, então cerca de R$ 80 mil mensais. Na época, o teto salarial dos jogadores da base do Atlético era de apenas R$ 2 mil. E a Justiça do Trabalho liberou sua ida ao Portimonense quatro meses antes do fim do contrato.

O Atlético não engoliu os termos da saída do jogador e seguiu pleiteando receber algo na Justiça. Em março de 2020, a Fifa decidiu que o Portimonense deveria pagar ao Galo 110 mil euros, então R$ 550 mil -muito menos do que a agremiação esperava receber pelo jogador.

Em setembro de 2020, Tabata deixou o Portimonense rumo ao Sporting por 5 milhões de Euros, cerca de R$ 25 milhões. Como clube formador, o Atlético-MG teve direito a receber mais R$ 580 mil (1,8% da transação, no mecanismo de solidariedade da Fifa). Com a transferência de Tabata ao Palmeiras, o Galo vai novamente ser remunerado pelo mecanismo, no mesmo percentual.

Com informações de Folhapress

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.