Santa Casa reforça sobre superlotação constante na Maternidade do hospital

Itamar Buzzatta/O Estado Online
Itamar Buzzatta/O Estado Online

A Santa Casa de Campo Grande reforça nesta sexta-feira (14) sobre a superlotação constante enfrentada pelo setor de maternidade do hospital, gerando assistência inadequada aos pacientes puérperas e recém-nascidos internados e que, por vezes, estão em leitos adaptados.

A Santa Casa possui 33 leitos ativos no alojamento conjunto (enfermaria) e está com 100% de ocupação de pacientes internadas, entre tratamento ginecológico, gestantes, puérperas (mãe com bebês recém-nascidos) e isolamento respiratório (Influenza). Além disso, quatro pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) estão internadas em leitos na linha privada e mais três em leitos adaptados no Centro Obstétrico ou em cadeiras.

No Centro Obstétrico existem duas salas cirúrgicas ocupadas e mais cinco salas de PPPs (Pré-parto, parto e pós-parto), sendo que três delas estão interditadas com cinco bebês recém-nascidos aguardando vaga na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, mas que até o momento está sem previsão de vaga.

Ainda existe duas cesarianas indicadas a bebês graves que poderão chegar, ao longo do dia, a sete pacientes interditando salas no Centro Obstétrico. A Santa Casa dispõe atualmente de oito leitos de UTI Neonatal, onze leitos de unidade intermediária neonatal e quatro leitos de unidade neonatal canguru (2 vagas), que estão 100% ocupados.

Mobilização

Devido a situação, foi solicitado ao CRM (Conselho Regional de Medicina) na quinta-feira (13), a vistoria de urgência pelo órgão e, posteriormente, avaliação de uma possível interdição ética do setor até que o caso seja regularizado e que os atendimentos aconteçam de forma adequada e que garantam o exercício da boa prática da medicina.

A Santa Casa ressalta que está, há mais de um ano, encaminhando e notificando as autoridades em saúde pública do Estado e Município, inclusive com acompanhamento do Ministério Público, sobre a necessidade de abertura de leitos neonatais em Mato Grosso do Sul.

(Com informações da assessoria)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *