Feira Quilombola: Furnas do Dionísio lança amanhã evento mensal que comercializa produção própria

Feira Quilombola
Imagem: Reprodução/Valentim Manieri

Por Méri Oliveira – Jornal O Estado MS

A comunidade quilombola de Furnas do Dionísio, localizada em Jaraguari, a 35 quilômetros de Campo Grande, vai lançar amanhã (6) a Feira Quilombola que, em sua primeira edição, vai disponibilizar itens produzidos e cultivados na própria comunidade na proporção de 90% e mais 10% por pessoas vizinhas e de outras localidades. Para saber mais sobre isso, o jornal O Estado foi conversar com a presidente da Associação de Moradores de Furnas do Dionísio, Vera Lúcia Rodrigues dos Santos; confira.

Nascida e criada na comunidade quilombola de Furnas do Dionísio, Vera Lúcia tem 40 anos e é funcionária pública na Escola Estadual Zumbi dos Palmares desde 2017 e, desde 2019, atua na Associação Furnas do Dionísio, inicialmente como vice-presidente. Atualmente, assumiu o posto de presidente e está em busca de aprimoramento. “Sou acadêmica da UFMS [Universidade Federal de Mato Grosso do Sul] desde 2020, faço Educação do Campo, estou estudando para assumir a educação da nossa comunidade”, afirma.

O evento realizado é a 1ª Feira Quilombola, que é idealizada desde o ano de 2019, mas só agora se tornou realidade. “Desde o mandato do Nilson Abadio Martins, em que eu era vice-presidente, estávamos programando para começarmos a realizar a feira, mas somente agora que vamos conseguir concretizar. A feira vai funcionar uma vez por mês, todo mês, com 90% de produtos dos produtores da comunidade, vendendo tudo o que é produzido e cultivado aqui na comunidade, e 10% de pessoas vizinhas e de outras localidades”, explica a presidente.

Vera explica que, entre outras coisas, a feira objetiva a divulgação do que é produzido na comunidade. “Esse evento partiu de uma conversa da equipe anterior, objetivo é fomentar a captação de renda e divulgação dos nossos produtos, a divulgação da comunidade e dos produtos que produzimos aqui, da nossa cultura, da nossa gastronomia.”

Sobre o que o público pode esperar, Vera é direta: “Podem esperar uma gastronomia boa e saborosa, bebida gelada, música boa e uma recepção calorosa. Os melhores produtos artesanais você encontra aqui: derivados da cana-de-açúcar, farinha de mandioca, caldo de cana, pastéis fritos na hora, artesanato e muito mais”, dispara.

Quanto às expectativas relacionadas ao evento, Vera afirma que um deles é renovar a clientela dos produtores locais. “Nossa expectativa é de atrair nossos clientes e muitos outros clientes novos, vender bastante, e alegrar o dia das pessoas.”

Adriana Santos Silva, produtora de farinha e rapadura, entre outras coisas, tem boas expectativas para o evento. “O que eu espero dessa feira é que ela abra o macro para a comunidade. em vez dos produtos da Furnas ir atrás do cliente, é o cliente que vem atrás dos produtos da Furnas, porque graças a Deus, o nome, a gente tem, então, é só aperfeiçoar mais e acreditarmos no nosso talento, saber que temos o potencial de fazer a diferença na economia produtora do nosso Estado, é isso o que eu espero. Que todos os produtores tenham muito sucesso e que, na próxima, o boca a boca seja bem positivo.”

Importância

A relevância e de um evento desse tipo vai muito além da divulgação dos produtos locais e passa, invariavelmente, pela valorização desses produtos e de seus produtores, principalmente se considerarmos o contexto histórico e sua influência nos dias atuais. A cana-de-açúcar e seus derivados, que no passado acabava por ser cultivada por pessoas escravizadas, hoje é utilizada para impulsionar toda uma comunidade e se torna, ainda, a marca da resistência de um povo que luta para se estabelecer e mostrar seu valor, sua cultura, sua diversidade e, principalmente, escrever uma nova história.

“A importância da feira é para a divulgação dos nossos produtos e a nossa valorização, pois com a feira temos a pretensão de divulgar mais ainda nosso quilombo, nossa cultura e, como é uma feira coletiva, praticar a coletividade, a união para o trabalho”, afirma Vera.

Por exemplo: a rapadura artesanal produzida em Furnas do Dionísio, e que estará à venda na Feira Quilombola, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de Mato Grosso do Sul em novembro de 2016, assim como o Festival Anual da Rapadura, outro evento importante do calendário da comunidade.

Furnas do Dionísio

A comunidade quilombola Furnas do Dionísio foi criada em 1890, no município de Jaraguari, por Dionísio Antônio Vieira e Luiza Joana de Jesus, escravizados, vindos de Minas Gerais, após a abolição da escravatura, decretada em 1888. Ao chegar à localidade, Dionísio levantou a primeira casa de pau a pique e ali se estabeleceu com sua família.

O reconhecimento oficial de Furnas do Dionísio pelo Incra como comunidade quilombola somente se deu em 24 de abril de 2009. Localizada em Jaraguari, está a aproximadamente 35 km ao norte de Campo Grande.

SERVIÇO: A 1ª Feira Quilombola será realizada amanhã (6), das 13h a 0h, na sede da Associação Furnas do Dionísio, na Comunidade Quilombola Furnas do Dionísio, em Jaraguari. Mais informações sobre a Feira Quilombola podem ser obtidas por meio do número (67) 99876-8832, com Vera Lúcia.

Leia a edição impressa do Jornal O Estado MS.

Acesse também as redes sociais do Estado Online no Facebook Instagram.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.