3 julho 2020, 19:38
Foto: Camila Vilar

Campanha vende obras de artistas visuais em apoio às famílias das favelas de Campo Grande

Amanhã (1º de julho) será aberta a galeria virtual “100 Fotos para MS”, em que 100 fotografias foram doadas por 100 artistas e estarão à venda por R$ 100 cada uma, e todo o lucro será doado à Central Única das Favelas (CUFA-MS), com o objetivo de minimizar os impactos causados pela pandemia. 

Criada na Itália, a campanha veio para o Brasil e, por ideia da fotógrafa nova-andradinense Aline Teodoro, abrange agora Mato Grosso do Sul. Em benefício de quem mais precisa neste momento, a iniciativa consiste em reunir artistas visuais, que doam suas obras para serem vendidas em galerias virtuais.

Convidando amigos de várias cidades e áreas profissionais para criarem a campanha, Aline revela que: “estava me perguntando já há algum tempo o que nós, que estamos em casa com segurança, conforto e tempo disponível, poderíamos fazer para ajudar quem não tem as mesmas condições que a gente, sabe? Quando eu vi no Instagram as campanhas solidárias que os fotógrafos estavam fazendo nos outros estados, tive a ideia de fazer aqui também”. 

Jornalista, Gustavo Maia, que morou e tem família em Nova Andradina – residente hoje em Minas Gerais –, aponta que foi a primeira pessoa convidada por Aline, para juntos darem o pontapé inicial. “Tinha visto a campanha daqui de Minas mas nem me toquei de onde vinha. Ela me chamou perguntando se eu sabia da ideia, mostrando que tinha já em outros estados e perguntou se eu não queria fazer em Mato Grosso do Sul. Eu falei: ‘vamos! Como é que faz’. A gente começou a correr atrás de fotógrafos pedindo que indicassem outros”, conta ele. 

Gustavo afirma que houve “a preocupação de procurar profissionais do interior. E a gente se deu conta de que é impossível entrar em contato e conhecer todos os fotógrafos do Estado. Conseguimos reunir 100 fotógrafos e fotógrafas. Tivemos dificuldades, porque nem todos os fotógrafos que foram contatados inicialmente e confirmaram que iriam participar da campanha, enviaram a foto dentro de um prazo estabelecido”. 

Ele diz que: “a gente se organizou para lançar a campanha em 1º de julho, porque esta é uma ação que tem pressa. As pessoas que dependem e serão beneficiadas por essa ação têm pressa e não podem ficar esperando. Que a ideia é dar condições para as pessoas em comunidades periféricas se protegerem do contágio da COVID-19”.

Veja mais:

Autocine da UFMS retorna com medidas de biossegurança asseguradas

Consumo de livros digitais aumenta durante pandemia

Semana tem shows com Sandra de Sá, Lô Borges, Lula Ribeiro, além de Breno Ruiz e Elza Soares

(Confira mais na página C1 da versão digital do jornal O Estado)

Veja também

Tábuas de frios em forma de amor

Médica veterinária aposta no empreendedorismo e dá vida a empresa ‘Frios In Casa’ e hoje …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *