SP vai continuar vacinando adolescentes contra a COVID-19

SP vai continuar vacinando de adolescentes de 12 a 17 anos contra a Covid-19
Foto: Internet

O Governo de São Paulo decidiu não seguir a nova recomendação do Ministério da Saúde e vai manter a vacinação contra a COVID-19 de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades. O Governo de São Paulo diz lamentar a decisão da Secretaria Especial de Enfrentamento à COVID-19.

Em nota o governo disse:”A vacinação nessa faixa etária já é realizada nos EUA, Chile, Canadá, Israel, França, Itália, dentre outras nações. A medida cria insegurança e causa apreensão em milhões de adolescentes e famílias que esperam ver os seus filhos imunizados”. Ainda segundo o governo paulista, três de cada dez adolescentes que morreram com COVID-19 em São Paulo, não tinham comorbidades.

 Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde recomendou a suspensão da vacinação contra COVID-19 de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades no país. A recomendação surgiu em uma nota técnica divulgada nesta quarta-feira (15).

Passa a ser recomendada a vacinação nesta faixa etária somente em adolescentes que apresentem deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade.

A nota técnica não informa uma diretriz para a segunda dose dos adolescentes que já foram vacinados e não dá detalhes de como os adolescentes terão que comprovar que estão elegíveis para se vacinarem.

Na nota técnica nº 40/2021, a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 diz ter partido de algumas premissas para fazer a recomendação:

  • A Organização Mundial de Saúde não recomenda a imunização de criança e adolescente, com ou sem comorbidades;
  • A maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela Covid-19 apresentam evolução benigna, apresentando-se assintomáticos ou oligossintomáticos;
  • Somente um imunizante foi avaliado em ECR (ensaios clínicos randomizados);
  • Os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos;
  • Apesar dos eventos adversos graves decorrentes da vacinação serem raros, sobretudo a ocorrência de miocardite (16 casos a cada 1.000.000 de pessoas que recebem duas doses da vacina);
  • Redução na média móvel de casos e óbitos (queda de 60% no número de casos e queda de mais de 58% no número de óbitos por covid-19 nos últimos 60 dias) com melhora do cenário epidemiológico.
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.