Polícia Federal prende suspeitos de ocultar corpos de Bruno e Dom

Polícia Federal
Foto: divulgação

Durante uma operação, neste sábado (6), contra a pesca ilegal no Vale do Javari, a Polícia Federal cumpriu sete mandatos de prisão preventiva, expedidos pela Justiça Federal. Entre os presos estão três pessoas suspeitas de participar da ocultação dos corpos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips, assassinados dia 5 de junho na região.

Dois dos sete mandados de prisão preventiva foram em desfavor de suspeitos que já se encontram presos – Ruben Dario da Silva Villar, conhecido como ‘Colômbia’, e Amarildo Costa de Oliveira, conhecido como ‘Pelado’. Também foram cumpridos dez mandados de busca e apreensão.

A PF disse que identificou fortes indícios de que ‘Colômbia’ seria líder e financiador de uma associação criminosa armada dedicada à prática da pesca ilegal na região do Vale do Javari, responsável por comercializar grande quantidade de pescado que era exportado para países vizinhos.

Pelado e Colômbia estão presos preventivamente em Manaus. O primeiro, pela participação no duplo homicídio. O segundo, por uso de documentos falsos – Colômbia tem documentos de identificação do Brasil, do Peru e da Colômbia.

No último dia 21, o MPF denunciou três pessoas pelo assassinato de Bruno e Dom. A denúncia foi recebida pela Justiça Federal em Tabatinga (AM), o que fez com que os três envolvidos se tornassem réus.

Foram denunciados sob acusação de duplo homicídio qualificado e ocultação de cadáver Pelado; Oseney de Oliveira, o Dos Santos, irmão de Pelado; e Jefferson da Silva Lima, o Pelado da Dinha, casado com uma parente dos dois.

Todos estão sendo investigados por se associarem a Colômbia visando a realização de pesca ilegal na região”, disse a Polícia Federal.

Dom e Bruno desapareceram no Vale do Javari no início de junho. Depois de 24 horas sem dar notícias, as famílias de ambos fizeram o alerta pelas redes sociais e acionaram a polícia. Os corpos foram encontrados cerca de 10 dias depois.

O jornalista teria sido morto por estar junto com Bruno –ele estava no Javari fazendo pesquisas para um livro que escrevia– para que não pudesse identificar os assassinos.

 

Confira as redes sociais do O Estado Online no Facebook Instagram.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.