Obras afetam comerciantes e previsão é de que terminem a partir de agosto de 2022

Revitalização Rui Barbosa
Foto: Nilson Figueiredo

Poeira, barulho e dificuldade de mobilidade estão entre principais queixas da população na região

As obras de revitalização na Rui Barbosa tiveram início em junho deste ano e fazem parte da segunda etapa do Programa Reviva Campo Grande, com duração prevista de 1 ano e 3 meses. No total serão executados serviços em 7 quilômetros, iniciando na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), até a Avenida Rachid Neder. Contudo, a população que transita diariamente pelo local e os comerciantes da região apontam que desde o início das obras contabilizam prejuízos tanto econômico quanto de deslocamento, com as interdições.

De acordo com o secretário da Sisep (Serviços de Infraestrutura e Serviços Públicos), Rudi Fiorese, as obras na extensão da Rui Barbosa começaram há, aproximadamente, 90 dias e estão na fase de drenagem.

“A princípio as reformas aconteceram na Fernando Corrêa, depois subiu para a Mato Grosso e agora está concentrada ali depois da Santa Casa. A parte de drenagem é a que provoca maior interferência no trânsito. Depois vamos começar com a execução das calçadas. As obras no Centro como um todo devem durar até agosto do ano que vem”, informa.

De acordo com o gerente de fiscalização da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Carlos Gomes Guarani, a fiscalização está acontecendo de forma intensa nos trechos de obras, assim como a sinalização, mas pontua que o acesso está restrito aos comerciantes, moradores e clientes locais.

“A Rui Barbosa está interditada entre a Barão do Rio Branco e a Rua Dom Aquino, permitindo somente o acesso local. É bom frisar que o acesso local é somente para comerciantes, clientes e moradores. Não adianta as pessoas entrarem nessa interdição achando que vão cruzar com a rua seguinte”, destacou.

De passagem pela Barão do Rio Branco, o comerciante Eduardo Guilherme, 57, comenta que, apesar de as obras serem necessárias, prejudicam o comércio local.

“As obras são necessárias, mas eu acho que prejudicam muito, terminaram agora de fazer o calçamento desde a 14 até a Fernando Corrêa, e o pessoal do comércio ficou muito tempo parado. Agora fazendo isso aí, não sei quanto tempo o vão sobreviver. Eu tenho comércio, mas ainda bem que não é aqui, se não eu teria desistido”, desabafa.

“Só quem é comerciante sabe o transtorno que a obra causa; eu já teria desistido de trabalhar aqui”, disse.

Claudete da Silva, 66 anos, é dona de uma ótica localizada na Barão do Rio Branco, na esquina de onde estão acontecendo as obras. Para ela, apesar de necessárias, o movimento foi prejudicado pela pandemia e piorou com a poeira.

“É difícil para nós comerciantes, mas a melhora vem depois. O movimento afetou, os primeiros dias que eles estavam aqui na frente ficou zerado o movimento. Ficou difícil por conta da poeira, do barulho, mas os funcionários da prefeitura vieram conversar com a gente”, relata

Transporte coletivo disputa espaço

Vale lembrar que em julho deste ano o Consórcio Guaicurus, responsável pelo transporte coletivo da Capital, teve ameaça de ter de pagar multa prevista em contrato com a prefeitura, pelos atrasos nos trajetos que passavam pelas obras, e os ônibus tiveram de alterar a rota, e desde então disputam espaço em ruas alternativas que ganharam fluxo dobrado de veículos por conta dos desvios. O resultado foi a reclamação e o descontentamento dos usuários.

(Texto de Isabela Assoni)

Confira mais notícias do jornal impresso.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *