MS participa da terceira fase de estudo de pílula que pode ser usada para tratamento contra a COVID-19

Foto: Reprodução/AFP
Foto: Reprodução/AFP

Pesquisa é comandada pelo infectologista Julio Croda e ocorrerá em sete polos em todo o Brasil

Mato Grosso do Sul vai participar de mais uma pesquisa para o combate da COVID-19, com o estudo, de fase 3, para verificar a eficiência de um medicamento a fim de evitar a propagação e transmissão da doença. Os trabalhos ocorrerão de forma simultânea em sete centros no Brasil, sendo no Estado e no Rio de Janeiro, sob responsabilidade da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

O pesquisador e infectologista Julio Croda é o coordenador do estudo, junto com Margareth Dalcolmo. Segundo a Fiocruz, o estudo multicêntrico internacional está sendo feito com o medicamento Molnupiravir, fabricado pela farmacêutica MSD.

Para avaliar o uso da pílula como PEP (profilaxia pós-exposição), serão recrutadas e avaliadas pessoas que foram expostas ao vírus, que vivem com alguém que testou positivo para a COVID-19 nas últimas 72 horas e apresentam algum sintoma da doença, além de outros critérios específicos exigidos no protocolo de pesquisa.

Ainda conforme a Fiocruz, além de Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro, os outros polos da pesquisa estão distribuídos entre os estados do Amazonas, Rio Grande do Sul e São Paulo. O tratamento consiste no uso do medicamento, por via oral, duas vezes ao dia, durante cinco dias consecutivos. A etapa de fase 3 terá a duração de seis meses.

Molnupiravir

O medicamento, que está sendo desenvolvido pela MSD em colaboração com a Ridgeback Biotherapeutics, atua impedindo a replicação do vírus e tem potencial de ação em diversos vírus RNA, incluindo o SARS-CoV-2.

Recentemente, a MSD divulgou os resultados interinos de fase 3 de um outro estudo, no qual Molnupiravir foi usado como tratamento nos primeiros cinco dias de sintomas e demonstrou redução de aproximadamente 50% do risco de hospitalização ou morte em pacientes adultos não hospitalizados com o novo coronavírus leve a moderado.

O que se sabe sobre o novo medicamento?

Os testes realizados até o momento indicam que os pacientes que receberam o Molnupiravir até 5 dias após o início da manifestação dos sintomas do novo coronavírus tiveram metade da taxa de hospitalização e morte na comparação com aqueles que não tiveram acesso ao medicamento. Contudo, a eficácia total do remédio ainda não foi determinada, mas já se conhece que não funciona em pacientes com sintomas graves.

Vale lembrar, ainda, que este não é o primeiro teste de eficácia de medicamentos que incluem voluntários do Estado. Recentemente, a Fiocruz, por meio da supervisão do infectologista Júlio Croda, cancelou a pesquisa sobre a nova vacina contra o vírus, elaborada pela Sanofi. Até agora, o que se sabe é que não houve voluntários suficientes para levar à frente o projeto e, por isso, o estudo não obteve êxito.

(Texto de Mariana Ostemberg)

Confira mais notícias do jornal impresso.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *