‘Ele faz parte do caos’, diz Bolsonaro sobre Luciano Huck

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez provocações ao apresentador Luciano Huck dizendo para ele “parar de arrotar arrogância”. Em resposta a crítica recente do apresentador, disse que se ele comprou jatinho com subsídio do BNDES, ele “faz parte do caos”.

“Ele falou que eu sou o último capítulo do caos. Se ele comprou jatinho, ele faz parte do caos, ajudou naqueles empréstimos de quase meio trilhão de reais, amigo Fidel Castro, Venezuela, essa galera toda aí. E aqui no Brasil, pelo que me parece, [foram] R$ 2 bilhões para amigos comprarem jatinho”, disse.

A declaração, feita na saída do Palácio da Alvorada nesta sexta-feira (16), é uma resposta à fala de Huck, que disse durante uma palestra no Espírito Santo que Bolsonaro era “o último capítulo do caos”.
Questionado se o apresentador seria exposto, Bolsonaro respondeu com uma pergunta: “Ele comprou jatinho?”

“Eu não faria isso [pegar empréstimo para comprar jatinho] porque eu tenho vergonha na cara, mas quem faz isso sabe que para você conseguir R$ 10 mil no banco você tem que ralar, cara, e deixar a cueca de garantia lá. Agora esses caras não deixam nada. E pagar 3% ou 4% de juros ao ano, pelo amor de Deus. É justo fazer isso aí? Se por ventura [ele] estiver lá [na lista de beneficiados], não fica arrotando honestidade aí que o bicho vai pegar.”

Esta não é a primeira vez que o chefe do Executivo dirige ironias ao apresentador. Na quinta (15), durante transmissão ao vivo pelas redes sociais, ele prometeu abrir a caixa preta do BNDES e acrescentou que isso vai expor “gente que está dizendo que estamos no último capítulo do fracasso”.

A divulgação de dados sobre empréstimos do banco é uma obsessão do presidente desde a campanha eleitoral. Sem explicar como será feito, Bolsonaro prometeu anunciar semana que vem o fim do sigilo dos empréstimos do banco.

“Vai ser anunciado na semana que vem pelo BNDES, abrindo sigilo de tudo. Se eu não me engano, foram gastos R$ 2 bilhões na compra de jatinhos. Parece que não foi ilegal, parece, mas com taxa de juros de 3% ou 4% ao ano. E quem foi beneficiado? Amigo do Lula, da Dilma”

Em 2013, Huck usou um empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES para comprar um jatinho particular da Embraer. O financiamento, do programa BNDES Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), teve como beneficiária a Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda., da qual Luciano e Angelica Huck são sócios, e o Itaú como instituição financeira intermediária.

Os juros do empréstimo, datado de 29 de maio de 2013, foram de 3% ao ano, com 114 meses de amortização para o pagamento. A compra foi feita por meio do PSI (Programa de Sustentação do Investimento), que destinava-se a financiar investimentos de empresas, compra de bens de capital (máquinas e equipamentos), ações de pesquisa e desenvolvimento e exportações.

O programa oferecia juros subsidiados -ou seja, parte do empréstimo era coberta pelo Tesouro, já que a correção era inferior aos 6,75% da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada até o ano passado nos empréstimos do BNDES.

O Tesouro também bancava a diferença entre a Selic e a TJLP nos empréstimos via PSI. Desde o início do empréstimo para a compra do avião, a Selic foi de 10,8% ao ano em média.
A informação da compra da aeronave foi antecipada pelo blog “Tijolaço”. (Informações da Folhapress)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.