Após paralisações no fim de semana, Governo Federal teme nova greve dos caminhoneiros

Foto: Jardiel Carvalho / Folhapress
Foto: Jardiel Carvalho / Folhapress

O aumento de preços nos combustíveis anunciado pela Petrobras na quinta-feira (10) rendeu as primeiras mobilizações de caminhoneiros pelo país  durante o fim de semana. Movimentos sindicais e entidades de classe da categoria estão tentando negociar o repasse do reajuste para o valor dos fretes como maneira de remediar os prejuízos, mas uma greve geral não foi descartada.

Os movimentos mais significativos foram vistos na Bahia. Na sexta-feira (11), quando inúmeros postos já tinham aumentado o preço da gasolina e do diesel nas bombas, um grupo de caminhoneiros fechou a Avenida Transnordestina próximo à cidade de Feira de Santana. No dia seguinte, foi feito um bloqueio com pneus queimados na BR-116, no sudoeste do estado, que gerou um congestionamento de aproximadamente 15 km.

Assim como os governadores do estados – que afirmam que o ICMS não é o responsável pela escalada de preços – , as entidades de classe consideram que a política de preços adotada pela Petrobras, que estipula o valor dos combustíveis conforme o preço do barril de petróleo no mercado internacional, precisa ser revista.

A Abrava (Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores) se manifestou sobre o assunto por meio de nota, dizendo que os caminhoneiros são “reféns do mercado financeiro com a variação do dólar somado ao preço do barril de petróleo e, como consequência, esfolaremos os brasileiros que não irão mais conseguir comprar nem gás de cozinha, nem abastecer o carro, ou caminhão, para trabalhar”.

A fala ressalta um problema que está por vir caso o repasse no valor dos fretes seja efetivado, que é a consequente transferência desse custo das empresas para o preço agregado dos produtos. Como o Brasil transporta seus produtos majoritariamente por via rodoviária, isso implicaria em mais gastos para o consumidor em praticamente todos os setores, desde alimentos até bens de consumo.

Temendo um problema mais sério, que seria uma crise de abastecimento, o presidente Jair Bolsonaro pediu no sábado (12) a “compreensão dos caminhoneiros”. Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, ele disse: “Alguns falam em greve. Sei disso. Lamento. Espero que não haja”.

O pedido veio após o vazamento de um áudio do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, para o caminhoneiro Wanderlei Alves, o Dedeco, um dos líderes da greve de 2018, em que parece concordar com uma possível paralisação da classe.

“Estou vendo caminhoneiros parando de carregar para forçar seus embarcadores e transportadores a repassar para os fretes o custo do aumento de diesel. Acho isso muito correto. No fim do ano passado, no MT, um grupo fez isso e deixou de carregar para as tradings. Conseguiram melhores fretes”, afirma Tarcísio no áudio do WhatsApp. Em nota, o ministério posteriormente negou que o titular da pasta tenha apoiado a greve.

Outra medida do governo para tentar controlar a situação foi pedir ajuda ao congresso, que aprovou rapidamente projetos que alteram a incidência do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis. As propostas foram prontamente sancionadas por Bolsonaro e já estão em vigor, o que gerou revolta nos chefes dos Executivo estaduais, que vinham operando com taxas congeladas do imposto há quase um ano.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.