Judoca de MS espera sentir ‘emoções diferentes’ em Lima

“Há duas semanas, em um domingo, estava na rua quanto entraram em contato comigo, me convocando, fiquei muito feliz”. Larissa Farias relata deste modo como recebeu a notícia da CBJ (Confederação Brasileira de Judô), em entrevista a O Estado MS, por telefone, no começo da noite de sexta-feira (2). A sul-mato-grossense, que substitui a paulista Nathália Brigida, cortada por lesão, deixa clara a satisfação de disputar pela primeira vez uma edição dos Jogos Pan-Americanos.

Nascida em Ladário – a 412 km de Campo Grande – a judoca que completará 23 anos daqui a duas semanas (dia 18), fala um dos motivos que a deixa animada em fazer parte da delegação brasileira em Lima. “Essa competição tem um formato parecido com os Jogos Olímpicos. A gente fica em vila de atletas (a Vila Pan-Americana, projetada especialmente para receber os competidores), então isso é bem legal. É uma competição que faz a gente sentir emoções diferentes”, comenta Larissa.

O embarque rumo ao Peru junto com a seleção será nesta segunda-feira (5). Os combates na categoria Peso Ligeiro estão programados para a quinta (8) e não serão fáceis. “A expectativa é bem alta e no 48 (kg), que é a minha categoria, é uma competição bem forte porque tem a campeã olímpica Paula Pareto, 33, da Argentina, e assim por diante”, argumenta a judoca que começou a ganhar destaque na capital sul-mato-grossense.

“Eu nasci em Ladário, mas representei o Clube Rocha de Campo Grande durante um período bem grande. Eu sai de Ladário aos doze anos, quando comecei a destacar em competições internacionais. Fui vice- -campeã mundial com eles, com o sensei Igor Rocha”, relembra a atleta. Coisas da vida fizeram Larissa deixar o Estado e fazer seu judô crescer ainda mais.

“Depois eu me mudei para o Rio (de Janeiro), meu pai é militar, então mudei com a minha família. Fiquei no (Instituto) Reação durante quatro anos e agora estou no Minas (Tênis Clube)”, comenta Larissa, que hoje mora e treina em Belo Horizonte.

Os laços com a terra natal permanecem apertados

“Meus avós moram em Ladário, tenho primos, tios, todo fim de ano estou por lá. Geralmente passo Natal e Ano Novo com a família”, fala a atleta. “E, a última vez que estive em Mato Grosso do Sul, faz um pouco mais de um mês. Eu fui para os Jogos Abertos de Campo Grande. Eles (Clube Rocha) chamaram eu e a Layana (Colman, campo-grandense que também defende o Minas) para reforçar a equipe”, acrescenta.

Se não fosse a seleção brasileira, a ladarense estaria novamente na Capital nos próximos dias, por conta de evento comemorativo à academia que a ajudou a revelar Larissa para o cenário nacional.

“Tenho muitos amigos em Campo Grande, em Ladário, uma terra que sempre me deu muito apoio em relação ao judô. Sou muito grata por tudo que tive em Mato Grosso do Sul”, agradece. O retorno do Peru ao Brasil está prevista para o dia 13. Sem antes deixar o recado de, “tentar buscar essa medalha para a gente”.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.