Após ouro em Tóquio, Yeltsin ganha as ruas de Campo Grande

toquio-2020-brasil-chega-ao-21o-ouro-e-iguala-campanha-de-londres

Bicampeão paralímpico projeta pódios em Mundial e no Parapan

Yeltsin Jacques recebeu o carinho da população de Campo Grande numa carreata na manhã de ontem (8). Junto com sua família, o bicampeão paralímpico de atletismo em
Tóquio relembrou os melhores momentos da competição e prometeu trazer mais medalhas para Mato Grosso do Sul.

Em relação a sua jornada em Tóquio, o atleta revelou que a medalha de ouro mais difícil foi na modalidade de 5.000m T11 (para deficientes visuais). “A primeira prova foi
a mais difícil por conta do nervosismo. Minha esposa estudou cada atleta, mas não tínhamos como saber a situação de todos os competidores. Os africanos e haitianos eram os favoritos, porém sabíamos que estávamos preparados, mas a tensão foi grande”, comentou o sul-mato-grossense de 29 anos.

Ele também revelou que agora o seu foco é o Campeonato Mundial de Atletismo no Japão, em 2022, e nos Jogos Parapan-Americanos em 2023, em Santiago, capital do Chile. “São 15 dias de folga e mais longo período de treino e trabalho”, contou o medalhista nascido em Campo Grande.

A carreata percorreu algumas ruas pelo centro da cidade e a primeira parada foi na prefeitura, onde o prefeito Marquinhos Trad (PSD) parabenizou o atleta. “O nosso parabéns não é apenas pelas medalhas. Se ele não tivesse ganhado, nós teríamos o recebido da mesma forma. O ouro é a força de vontade dele, para ensinar aos outros que vale a pena lutar, se dedicar e perseverar. Ele é um exemplo.”

Yeltsin destacou a emoção de voltar para casa com duas medalhas douradas. “Não sei se eu estou vivendo uma emoção maior aqui ou durante o nosso recorde olímpico mundial, quando tocou o nosso hino no estádio de Tóquio”, contou o paratleta, que ganhou a primeira medalha do atletismo paralímpico em Tóquio, e, depois, conquistou a centésima dourada da história do Brasil em paralimpíadas.

Sobre ser referência para a próxima geração de atletas, Yeltsin diz que todo mundo pode contar com ele. “Trouxemos a possibilidade para a nova geração de fazer uma história linda. E que a gente pode somar com a educação e formando novos cidadãos”, falou o fundista, que hoje corre pelo clube ADD, de São Paulo.

De acordo com o pai do atleta, José Roberto dos Santos, Yeltsin seguirá em Campo Grande. Mas quando seu filho é convocado pelo CPB (Comitê Paralímpico do Brasil), ele viaja para treinar em São Paulo.

A segunda e última parada de Yeltsin foi na Governadoria, onde Reinaldo Azambuja (PSDB) o recebeu em sua sala, e homenageou com o trófeu “Atleta de MS”, concedido anualmente pelà Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul).

Segundo Reinaldo, o atleta se tornou um herói do Estado. Ele aproveitou a ocasião para destacar o investimento e a autorização para ampliar o “Bolsa Atleta”, um pedido do
velocista antes de viajar aos Jogos Paralímpicos. Acesse também: Em apoio ao presidente, caminhoneiros bloqueiam seis pontos em MS

Mais notícias no Jornal Impresso

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.