Pesquisadores estudam cultivo de “arroz resistente”

Pesquisadores descobriram uma atividade proteica incomum no arroz que pode ser explorada para dar às lavouras uma vantagem na “corrida armamentista” evolucionária contra a doença do míldio do arroz, uma grande ameaça à produção mundial de arroz. Magnaporthe oryzae, o fungo que leva à doença do míldio do arroz, cria lesões em plantas de arroz que reduzem o rendimento e a qualidade dos grãos.

O fungo causa uma perda de até um terço da cultura mundial de arroz, aproximadamente o suficiente para alimentar mais de 60 milhões de pessoas por ano. Várias estratégias têm sido usadas para evitar o fungo, mas uma abordagem sustentável ainda não foi desenvolvida.

Os custos e preocupações ambientais limitaram o sucesso dos fungicidas tóxicos. E um fenômeno chamado “linkage drag”, no qual os genes indesejáveis (responsáveis por características que não favorecem o desempenho agrícola) são transferidos juntamente com os genes desejados, o que dificulta aos produtores produzir variedades de arroz que exibem melhor resistência à doença, mas ainda produzem grãos na taxa desejada.

As tecnologias de edição genética poderiam eventualmente ser usadas para inserir genes com precisão em plantas de arroz, superando o problema do arrasto de ligação, mas primeiro, genes que aumentam a imunidade do arroz precisam ser identificados ou projetados com a biotecnologia.

11Uma equipe de pesquisadores no Japão e no Reino Unido relatou no Journal of Biological Chemistry que um receptor imunológico de arroz específico, de uma classe de receptores que geralmente reconhece apenas proteínas patogênicas individuais, desempenha uma função dupla ao desencadear reações imunológicas em resposta a duas proteínas fúngicas separadas. Os genes que codificam este receptor podem se tornar um modelo para o desenvolvimento de novos receptores capazes de detectar múltiplas proteínas fúngicas e, portanto, melhorar a resistência a doenças em lavouras de arroz. (Agrolink)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.