Justiça recebe denúncia de indiciados em desvio de dinheiro público em Maracaju

Crédito: divulgação
Crédito: divulgação

A 2ª Vara Criminal de Maracaju, município localizado a 153 Km de Campo Grande recebeu denúncia ofertada pelo Ministério Público em relação à nove pessoas indiciadas pelo DRACCO (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado), no caso de desvio de 23 milhões dos cofres públicos da cidade.

Investigações feitas pela operação “Dark Money” demonstraram a existência de uma organização criminosa, especificadamente na Secretaria de Fazenda de Maracaju. O desvio de dinheiro foi feito pela abertura de uma conta clandestina não informada aos órgãos de controle. O objetivo da conta seria contabilizar a folha de pagamento.

O Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro analisou 75 dos 627 cheques emitidos, apurando que foram nominais a empresas que não passaram por processo licitatório. Também não existem notas fiscais que comprovem pagamentos na Prefeitura.

Na 1ª fase da operação, deflagrada dia 22 de setembro de 2021, sete pessoas foram presas temporariamente, dentre elas quatro servidores públicos, tendo sido ainda cumpridos 26 mandados de busca e apreensão que resultaram na apreensão de eletrônicos, smartphones, computadores, documentos, 20 veículos, um barco com carretinha, jóias, discos rígidos e várias cédulas de cheque de valores diversos no valor total de R$109.000,00 e R$143.000,00 em espécie, além de armas de fogo e munições de vários calibres.

Já na 2ª fase, mais um indiciado foi preso por integrar organização criminosa envolvida no crime contra a Administração Pública, um funcionário público comissionado à época, apontado como peça chave no esquema que ocorreu entre novembro de 2019 e 2020.
O mandado de prisão preventiva foi cumprido na área rural do Município de Maracaju, numa ação conjunta entre policiais civis do DRACCO (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) e da Delegacia de Polícia de Maracaju, tendo também sido apreendidos dois veículos que estavam em sua posse.
Quatro prisões temporárias foram convertidas em preventiva, enquanto que em desfavor dos outros três presos temporários foram aplicadas medidas cautelares diversas da prisão (monitoração eletrônica por tornozeleira).

Com informações de Itamar Buzzatta

Veja mais notícias no Jornal Impresso

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.