Festa de Santa Sara Kali, padroeira dos ciganos, acontece hoje na Capital

Foto: Reprodução/Santuário Santa Sara Kali
Foto: Reprodução/Santuário Santa Sara Kali

É comemorado nesta terça-feira (24) o Dia Nacional do Cigano. A data foi instituída em 2006, em reconhecimento à contribuição da etnia cigana na formação da identidade cultural brasileira. A escolha do dia se deu pela comemoração de Santa Sara Kali, padroeira do povo cigano, que é celebrada no dia 24 de maio.

Em Campo Grande, a cigana Luna Negra, explica a importância da data para a cultura cigana. “É um dia muito importante para a comunidade pois não só resgatamos a cultura e passamos as nossas tradições para as outras gerações, como também significa toda a resistência do povo, a resistência cultural, a resistência social e uma oportunidade da comunidade estar se aproximando, conhecendo e, a partir dai, estar desmistificando os preconceitos históricos que existem sobre o povo cigano”.

De acordo com uma versão da lenda, Sara foi uma das mulheres que conviveu com Jesus e foi obrigada a fugir de Israel devido a perseguições. Ela e mais outras pessoas foram deixadas em uma barco à deriva. Sara então rezou para que chegassem a salvo em terra firme. A embarcação atracou na França, e atualmente o local onde o barco parou foi nomeado como Sainte-Maries-de-la-Mer, em homenagem às três Marias que acompanhavam Sara na embarcação.

Para Luna, Santa Sara é um símbolo de força para a cultura cigana. “A importância de Santa Sara para nós é justamente nesse sentido. No sentido da resistência, porque a lenda dela já mostra isso. Sara era uma mulher negra, pobre e escrava egípcia mas que conseguiu vencer todos os obstáculos e se transformar num ícone da cultura cigana. Então ela é a representação de toda a força e de toda resistência, principalmente das mulheres ciganas”, explica.

De acordo com a cigana, as comemorações podem ser um pouco diferentes dependendo da localização. “Na França, em Sainte-Maries-de-la-Mer, que é onde está a gruta de Sara Kali, as comemorações são diferentes das que acontece no Brasil, lá existem ritos específicos relacionados ao mar e a gruta. No Brasil e em outros locais do mundo, todos os ciganos que são devotos de Sara Kali fazem as suas comemorações com as oferendas de frutas, vinhos e as danças tradicionais e ritualísticas que se fazem no dia de hoje para honrar a padroeira do povo cigano”.

Aqui na Capital, as famílias se reúnem em casa para comemorar, com danças, músicas e oferendas de alimentos e bebidas. Há então, uma grande festa, aberta ao público não-cigano, para que a população possa conhecer a cultura e o que está sendo celebrado.

Luna destaca um dos pontos da festa. “Um dos rituais interessantes que se faz na festa de Santa Sara, não só na festa de Santa Sara mas em todas as festas tradicionais ciganas, é o ritual do fogo, da fogueira, que representa também a nossa ancestralidade. As pessoas que vierem aqui, vão poder conferir a procissão tradicional de Santa Sara, a entrada dela com o fogo sagrado”.

Segundo ela, para a festa de hoje muitas famílias ciganas de outras localidades se deslocam para celebrar. “As etnias ciganas que moram aqui em Campo Grande e as que vem para nos visitar. Vieram ciganos e ciganas de várias partes do país para cá hoje, São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro entre outras”, comenta.

A entrada é franca em valores monetários, mas serão arrecadadas doações: 10 quilos de alimentos não perecíveis ou um pacote de fraldas geriátricas, que será reunido para realizar doações para instituições carentes. Haverá venda de bebidas e comidas típicas ciganas entre outros. A festa acontece no Armazém Cultural, na Av. Calógeras, 3.065, Centro, das 18h às 23h.

Acesse também as redes sociais do Estado Online no Facebook e Instagram.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.