Desmatamento ilegal pressiona o cerrado, diz estudo

Na Amazônia, medições de satélite já indicam que 2019 será um ano de explosão do desmatamento. Só no mês de julho, a área devastada foi 90% maior que o mesmo período do ano passado, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Já no cerrado, o segundo maior bioma brasileiro, que já perdeu quase metade de sua área original, os alertas diários mostram que o desmatamento ilegal continua a desempenhar um papel decisivo na devastação. Dos 802 alertas emitidos nos primeiros três meses do ano, havia autorização para o corte em apenas 13 áreas.

Esses dados refinados estão reunidos na plataforma MapBiomas, que faz o mapeamento da cobertura e uso do solo no país em parceria com com universidades, ONGs e empresas – e que pode ser acessada publicamente.

Um levantamento detalhado feito pela ONG Instituto Centro da Vida (ICV) mostra que o estado de Mato Grosso, maior produtor brasileiro de soja, registra um dos maiores índices de clandestinidade: 95% do desmatamento registrado em 2018 ocorreu de forma ilegal.

“E boa parte desse desmatamento detectado aconteceu em grandes áreas”, comenta Ana Paula Valdiones, pesquisadora do ICV. Em 71% dos casos, os locais identificados tinham área equivalente a 50 campos de futebol.

“Se é fácil de enxergar por satélite, não deve ser difícil de fazer a fiscalização e responsabilizar os proprietários”, opina Valdiones.

Para a análise, o ICV consultou bases de dados públicas. A principal delas é o Prodes Cerrado, programa de monitoramento do Inpe que, desde 2018, ganhou periodicidade anual. A outra fonte é o banco que reúne as autorizações de desmatamento emitidas pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Ilegalidade em alta

Em comparação com 2017, o ritmo de destruição do cerrado caiu. De agosto de 2017 a julho de 2018, foram perdidos 6,7 mil km² do bioma, 11% a menos que o registrado no período anterior. Em Mato Grosso, houve queda de 20%, aponta o Prodes Cerrado.

O índice de ilegalidade, por outro lado, se mantém alto. Entre as várias explicações para esse cenário, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Mato Grosso aponta o aumento da pressão sobre as fronteiras agrícolas.

“Com a valorização da moeda americana, o preço das commodities agrícolas sobe, aumentando a pressão nas fronteiras agrícolas”, respondeu a secretaria, por e-mail. citando também “problemas sociais ligados à regularização ambiental dos assentamentos e especulações fundiárias”.

A secretaria afirma que as ações de comando e controle são guiadas pelo monitoramento, multas e presença da fiscalização, além da sensibilização dos proprietários rurais, criminalização e responsabilização. Nos quatro primeiros meses do ano, foram aplicados 222 milhões de reais em multas por desmatamento ilegal no estado. (Informações da DW)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.