Brasil perde da Rússia, mas mantém chances no vôlei masculino

vôlei masculino
reuters-tokyo

Em uma partida de alto nível técnico, o Brasil parou no bloqueio e nos ataques da Rússia, oficialmente chamada de ROC (Comitê Olímpico Russo) e acabou derrotado, nesta quarta-feira (28) por 3 a 0 (25-22, 25-20 e 25-20), se distanciando da liderança do grupo B.

Foi a primeira derrota do time brasileiro nos Jogos de Tóquio 2020. Antes, o time havia vencido a Tunísia, por 3 a 0, e a Argentina, de virada, por 3 a 2.

O resultado diante dos russos, no entanto, não tira o Brasil da disputa por uma vaga nas quartas de final. Classificam-se os quatro primeiros colocados de cada grupo e o Brasil, no momento, está na terceira colocação, com cinco pontos.

Na luta pela vaga, o Brasil enfrentará os Estados Unidos, na quinta-feira (29), às 23h05 (de Brasília). Com uma vitória, garantirá a classificação.

E encerra a participação na primeira fase contra a França, no sábado (31), às 23h05 (de Brasília).

O jogo

O Brasil iniciou variando as jogadas de ataque, mas a Rússia, com um vôlei consistente, e um oposto Volkov inspirado, assumiu o controle do placar. Também dificultavam o Brasil o bem armado bloqueio e o saque forçado do adversário, principalmente com Mikhaylov.

O Brasil, no entanto, também iniciou com consistência, colocando pressão na Rússia, com Bruninho procurando variar as jogadas e um saque perigoso. Desta maneira, após uma virada russa, o Brasil reassumiu o controle do placar, chegando a 13 a 12.

O time brasileiro tentava, com Lucão atacando pelo meio, Wallace e Leal tentando pelas pontas e uma boa recepção. A questão é que os russos não se rendiam, com bons contra-ataques e Iakovlev comandando o bloqueio. Acabaram virando para 21 a 20.

Na parte final do set, a disputa foi acirrada. O bloqueio de Iakovlev e os ataques de Volkov, porém, continuaram predominando. E após um pedido de desafio, a Rússia fechou o primeiro set.

Segundo set

No segundo set, a Rússia manteve o equilíbrio e a partida seguiu no mesmo ritmo. O Brasil forçando, variando, mas a Rússia controlando o placar com frieza e precisão.

E a seleção brasileira, mesmo mostrando alguma eficiência no ataque, virava menos pontos do que a russa, que se mantinha com um bloqueio bem montado. No ataque, Volkov continuava desequilibrando.

Com as entradas de Cachopa no lugar de Bruninho e Douglas no de Wallace, o Brasil se reanimou. O bloqueio de Maurício Souza, que iniciou o jogo no lugar de Isaac, funcionou naquele momento.

O Brasil encostou no placar. A Rússia, porém, não se abalava e logo aumentou a diferença, começando a forçar mais ataque pelo meio e chegou aos 22 pontos, 9 deles no bloqueio.

Qualquer ameaça de aproximação do Brasil era rechaçada com uma sequência de pontos. E assim os russos fecharam o segundo set, com 25 a 20.

Terceiro set

No terceiro set, o Brasil começou tentando aprefeiçoar o bloqueio. A alternativa era continuar variando os ataques para que finalmente a Rússia mostrasse algum desgaste.

Mas, mais do que qualquer falha do Brasil, era a Rússia que estava bem demais. Por mais que o Brasil tentasse, o adversário mantinha uma defesa forte e superava o bloqueio brasileiro.

Foi um set no qual os russos variaram ainda mais, desta vez ampliando as jogadas pelo meio, utilizando Volvich, já que Mikhaylov estava mais marcado.

E com essa variação, e muito mais confiança e ousadia, coube aos russos irem apenas administrando o placar, aproveitando seus ataques para fechar o set em 25 a 20 e vencer o jogo. (informações do R7)

 

Mais notícias dos Jogos Olímpicos podem ser acessadas aqui.

 

Confira mais notícias no jornal impresso.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *