Agosto Lilás: MS entra em combate à violência doméstica

Agosto

Mato Grosso do Sul entra novamente na maior campanha de enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher, batizada como ‘’Agosto Lilás’’. O objetivo da mobilização é sensibilizar a sociedade sobre a violência contra a mulher e divulgar a Lei Maria da Penha por meio de palestras, debates, encontros, panfletagens, eventos e seminários sobre o assunto.

Nesta data, o Governo do Estado de MS, por meio da Subsecretaria Especial de Cidadania e da Subsecretaria de Políticas Públicas para Mulheres, pauta suas ações com o intuito de levar o acesso à informação e orientações sobre como os casos acontecem, além das medidas protetivas e locais de atendimento especializado a mulheres violentadas na Capital e em municípios do interior do Estado.

Segundo a secretária Especial de Cidadania, Luciana Azambuja, a campanha é de extrema relevância no cenário atual, ao passo que contribui com a conscientização e com mudança de comportamento de toda a sociedade.

A campanha cresceu e se estendeu para outros locais como programas específicos da campanha “Agosto Lilás”, sendo realizada não só nas escolas, mas inovando com o “Maria da Penha vai à Aldeia”, à Igreja, à Feira, ao Quilombo, e em empresas.

A subsecretária de políticas públicas para mulheres, Giovana Vargas, esclarece que durante todo o mês de agosto são intensificadas as informações sobre os mecanismos legais de proteção à mulher e as formas de denúncia. Essa campanha é de todos nós, de toda a sociedade e estamos todas muito empenhadas nas atividades programadas, como palestras, panfletagens, rodas de conversa”, afirma.

Desta forma, torna-se imprescindível que todos os órgãos públicos e privados estabeleçam estratégias de mobilização, de articulação e principalmente promovam o enfrentamento à violência contra a mulher enquanto vivemos a expressão mais dramática da desigualdade de gênero na sociedade.

Categorizada como crime, a violência doméstica afeta mulheres de todas as classes sociais, idades, nível de escolaridade, raça e religiões. É amplamente definida como qualquer ato que possa causar dano físico, sexual, psicológico ou sofrimento extremo a uma mulher. Ela pode ocorrer em casa, entre pessoas da família e entre pessoas que mantenham relações íntimas de afeto, mesmo sem a convivência sob o mesmo teto. (João Fernandes com assessoria)

Confira o jornal impresso na versão digital.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.