Antropologia Social é tema de defesa de mestrando indígenas

Amanhã (2) e sexta (3), dois estudantes indígenas irão defender suas dissertações de Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) da UFMS. Ambos são professores e lideranças políticas em suas aldeias e desenvolveram pesquisas relacionadas a realidade de seu povo, e ingressaram na primeira turma do PPGAS, em 2017, nas vagas de ação afirmativa destinadas a alunos indígenas e afro-descendentes.

O acadêmico Gilberto Pires é da etnia Kadiwéu e reside na aldeia Alves de Barros, no município de Porto Murtinho. No dia 2, às 15h, na Unidade 13 da Cidade Universitária, ele irá defender a pesquisa “As fronteiras da educação indígena – considerações de um professor Ejiwajegi sobre a escola intercultural”, orientada pelo professor Antonio Hilário Aguilera Urquiza.

O acadêmico Gilson Tiago é da etnia Terena e reside na Terra Indígena Taunay-Ipegue, no município de Aquidauana. Sua pesquisa “Kixovoku Rômo Terenoe: um estudo antropológico sobre o jeito Terena de se pintar” é orientada pelo professor Álvaro Banducci Júnior e será defendida no dia 3, às 9h, na Retomada Cristalina.

“As dissertações, que versam sobre temáticas indígenas, produzidas e defendidas por alunos indígenas, demonstram que a política de Ação Afirmativa do PPGAS, pioneira no âmbito da Pós-Graduação da UFMS, tem se mostrado iniciativa frutífera e promissora, desempenhando importante papel de inclusão social e de formação educacional especializada, bem como de produção de conhecimento antropológico. Em seu quadro de Ação Afirmativa, o PPGAS possui outros acadêmicos, indígenas e afro-descendentes, que têm desenvolvido pesquisas relevantes sobre a realidade sociocultural de Mato Grosso do Sul”, afirma o professor Álvaro, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social.

Além de professores da UFMS, também compõem as bancas de defesa a professora Jane Felipe Beltrão, da Universidade Federal do Pará (UFPA), e o professor Jaime Siqueira Junior, da Universidade de Brasília (UnB). As defesas são abertas ao público.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.