Dia de Monstrinho: produtora abre portas de estúdio para ensaios de Halloween

Halloween estúdio
Foto:

No mês do Halloween, Larissa Anzoategui, Camila Silva e Palmira Nogueira oferecem o Dia de Monstrinho, ideal para quem quer aproveitar a data e fazer registros aterrorizantes e divertidos. O grupo de especialistas em terror abriu as portas e os armários para garantir o melhor do assustador, além de um dia cheio de diversão para os clientes que encararem essa aventura

O Dia das Bruxas tem se popularizado no Brasil, principalmente pelas escolas de inglês, que implantaram a cultura norte-americana nos calendários letivos, comemorado no dia 31 de outubro. Com isso, a diretora e produtora, especialista em terror, Larissa Anzoategui abre seu estúdio e disponibiliza todos os seus figurinos e acessórios para quem quiser ter o que elas chamam de “Dia de Monstrinho”.

As fotos com temas horripilantes são feitas há quatro anos, mas o estúdio nunca foi aberto ao público, até agora. Antes, os registros artísticos eram feitos para promover o site e a produtora Astaroth Produções, de filmes independentes dirigidos por Larissa. “A ideia de abrir o estúdio para o público em geral veio de mim e da Palmira, e então chamamos também a Camila para compor o time de produção”, conta Larissa.

A missão da reportagem foi viver um dia de bruxa, com direito a foto e tudo. A tarefa foi dada pelo editor do caderno Artes&Lazer do jornal O Estado, Marcelo Rezende, e missão dada é missão cumprida.

Nasce uma equipe

Enquanto a maquiagem é feita pela Palmira, Camila e Larissa preparam o estúdio, ajustando o cenário e a iluminação. Isso dá cerca de uma hora e meia de produção. Durante o tempo em que Palmira Nogueira me transforma em uma bruxa simpática, conta sobre como chegou até a maquiagem artística.

“Sempre fui criativa. Quando criança eu escrevia, criava personagens e me pintava. Comecei com maquiagem social, mas na época eu assistia uma série de terror chamada American Horror Story, e então comecei a me maquiar como os personagens. Eu gosto da transformação que a maquiagem pode fazer, a ilusão, essa é a graça”, pontua.

Foto: Nilson Figueiredo

A maquiadora estudou Artes Cênicas e foi indicada por um professor para trabalhar em um estúdio, para fazer maquiagens artísticas.

“Eu maquiava por diversão até que um dia o meu professor de artes me indicou para um estúdio em que a Larissa trabalhava, isso em 2016. Eu disse que sabia fazer de brincadeira e que não tinha os materiais necessários, e então ela disse que compraria os produtos para o teste, e investiu em mim”.

Palmira entrou no grupo e trouxe logo em seguida a Camila. As duas faziam faculdade juntas e Palmira precisou um dia de uma ajuda para a produção e chamou a colega, que atendeu prontamente. Larissa precisava de alguém para auxiliar na produção e Camila, que também costurava, foi a escolhida para compor o time que trabalha nas produções dos filmes de terror regionais.

“Ela precisava fazer umas próteses em casa e eu ajudei ela, e então uma vez a Larissa estava procurando algum assistente e eu sabia mexer com luzes e alguns trabalhos de fotografia, foi então entrei para a equipe. Depois de um tempo descobriram que eu também costurava e pronto, comecei a fazer de tudo um pouco”, conta a assistente de produção e figurinista.

Proposta inovadora

Este é o primeiro ano em que o público pode contratar os serviços do estúdio, e de acordo com a Larissa, a ideia é promover um dia de diversão, com uma pegada dos filmes de terror com certo humor. “Para as fotografias nos inspiramos muito em filmes de terror com certa diversão como os filmes da Universal, onde tem um pouco de teatro no cinema”, explica uma das idealizadoras do projeto.

“O ideal é que os clientes entrem em contato uma semana antes do dia em que pretendem fazer as fotos. Assim conseguimos organizar o conceito, pensar no figurino, maquiagem e cenário da melhor forma possível. A Palmira pensa na maquiagem, faz próteses para modificar o rosto, a Camila pensa no figurino, compartilhamos as ideias com o contratante e então, fechamos a produção, oferecendo um ‘Dia de Monstrinho’”, afirma Larissa Anzoategui.

O ensaio

Depois de o cenário pronto, o figurino no jeito e a maquiagem concluída, começam as fotos, tudo pensado em conjunto para que a ideia do cliente possa ser materializada. As fotos são feitas pela Larissa, que também faz a direção do ensaio. O período de pandemia fez com que a equipe também se reinventasse, e durante a produção e fotografias seguem sempre as medidas de biossegurança, necessárias para garantir a saúde de todos.

“Muitas pessoas se interessavam pelas fotos com esse tema, então a intenção é ser divertido para a equipe, e para quem contrata o serviço. Nós seguimos todas as medidas de biossegurança e oferecemos, além do estúdio, a opção de ambientes externos, com maior ventilação”, finaliza Larissa.

O ensaio pode ser contratado para uma pessoa, duas e até uma família que queira fazer os registros juntos. De acordo com a Larissa, são no mínimo 20 fotografias por ensaio. A equipe pode ser contatada por meio do WhatsApp da Larissa (67) 99678- 0909, e também pelo Instagram da diretora @larissa_anzoategui.

(Texto de Beatriz Magalhães)

Confira mais notícias do jornal impresso.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *