28 janeiro 2020, 16:27
Crédito: Valentim Maneiri

Opção para filhos em quintal diferente e cheio de atrações

Crédito: Valentim Manieri

Como uma ótima alternativa para tirar as crianças da frente das telas trazidas pelo século 21, reconectando-as a algo tão antigo quanto os elementos e a vida, o Quintal Aventura Espaço Saberarte recebe visitantes por uma pequena taxa de manutenção e limpeza.

Coordenado por Pablo Oliveira, o guia turístico do ambiente explica que: “Não é um parque que eu fiz aqui no meu espaço, é um quintal. Por isso eu chamo de ‘Quintal Aventura’. Quando fiz isso, há 17 anos, preparei esse quintal para o meu filho, que eu queria que ele crescesse minimamente tendo contato com as árvores, frutas, subir nelas”. Pablo ainda revela que o inspirador de toda a construção – hoje com 18 anos –, neste 2020, vem morar com o pai e passa a integrar as atividades que, num primeiro momento, foram construídas para ele.

“Os anos se passaram, ele cresceu e agora eu repaginei o espaço para abrir para as famílias. Que eu entendi que isso foi muito rico para o meu filho, em termos de aprendizagem, de diversão, de aproximação entre pai e filho. Que ali foi um momento em que eu pude várias vezes encorajar, ensinar para ele sobre os insetos, sobre as plantas, os frutos e períodos. Foi um processo de aprendizagem e interação com o meu filho, então a ideia foi repassar esse conhecimento, dividir isso com outros pais”, comenta Pablo.

Do potencial, conta dizendo: “Acredito muito que a ideia do espaço Portal Saberarte, além de ter a interação com o conhecimento e saberes, tem essa prática voltada para a questão da arte. É um ambiente que proporciona, tanto para famílias e crianças, ou quem visita aqui o espaço, perceber o bonito, o belo, aquilo que pode ser transformado. Perceber a natureza, o local onde você mora. Que tudo pode ser repaginado, e fazer com que as pessoas passem a apreciar”, comenta Pablo.

Na região do Portal da Lagoa, o guia ainda ressalta: “Esta é uma das propostas do Espaço Saberarte, fazer com que as pessoas percebam aquilo que não seria observado em outra situação. É importante a gente ter uma localidade – já que moramos numa comunidade – em que as pessoas tenham um ponto de encontro, então a ideia do espaço é este aspecto. Estamos criando oportunidades para discutir temáticas, como por exemplo da horta comunitária que queremos fazer, diferenciada, onde quem for participar também terá sua própria horta individual, como também a coletiva. O aspecto disso é tanto contribuir com a alimentação como também com a ocupação do tempo”.

Contando com a ajuda da sociedade, Pablo explica que a horta – comandada pela estudante de Geografia Victória Ortiz Magalhães – é benéfica para idosos e demais pessoas em estado de depressão, como também crianças no contraturno da escola, servindo como afazer de ocupação do tempo.

“A gente vê crianças, pessoas adultas, idosos, todos interagindo com o espaço e entre si, que fora dali elas não interagiriam da mesma forma. Sabemos que existem muitas bolhas sociais e este é um espaço onde elas se quebram, simplesmente deixam de existir, apesar de todos os preconceitos que existem lá fora”, complementa a acadêmica Victória Ortiz.

Sobre a prática de se ter uma horta, ela comenta que: “Embora muitos achem que não, é um ato extremamente político, que só tem a acrescentar nas crianças e nos jovens que irão participar desse projeto, aprender a cultivar seus alimentos e o que dá pra fazer com eles”.

Antes de tudo, morador do Portal da Lagoa, Pablo Oliveira ressalta: “A questão do espaço é uma coisa pessoal minha também. Eu moro em uma comunidade que é vulnerável, de certa forma, economicamente. Muitas famílias não têm acesso à questão da cultura, de uma área de lazer que possa envolver todos os familiares”.

“Ali no nosso bairro, o que temos é o campo de futebol, as igrejas, bares, quando as igrejas fazem alguma atividade que envolve as famílias… mas é muito pouco. Aí temos um haras – que é o Rancho Figueira –, com que eu fiz essa parceria com o pessoal para ir lá, levar para ver os cavalos. Tudo isso acaba enriquecendo o espaço, interage com a natureza e com os moradores, essa é a ideia.”

Finalizando, para o ano de 2020, Pablo comenta que: “Se Deus quiser, este ano quero fazer uma parceria com a prefeitura, vamos nos aproximar, apresentar este trabalho. Aqui eu quero tornar um ponto turístico, na verdade. Aquilo que eu sempre digo, criar a autoestima para as nossas crianças e familiares aqui do Portal. Não é porque é um bairro simples que não tenha lá o seu valor, pelo contrário, tem muita coisa boa que a gente precisa partilhar com as outras pessoas”.

Serviço: O Quintal cobra uma taxa de R$ 10 para limpeza e manutenção, por 1h30 de passeio que envolve os robôs e as instalações do quintal, vivência no haras e encerramento em trilha na mata.

(Texto: Leo Ribeiro)

Veja também

Infectologista pediátrica chama a atenção para a imunização

É difícil imaginar que, há algumas décadas, era comum que as pessoas morressem por doenças …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *