Primavera intensifica alergia em animais de estimação

Foto: Reprodução/Internet
Foto: Reprodução/Internet

Cerca de 70% dos cães vão demonstrar os sinais de atopia com idade entre 1 e 3 anos

Não só humanos sofrem com alergias, os animais de estimação também passam pelo mesmo problema de saúde. Com a chegada da primavera, no próximo dia 22 de setembro, alguns dos sintomas podem se agravar.

De acordo com a médica-veterinária e professora do Curso de Medicina Veterinária da Uniderp Dina Regis Recaldes Rodrigues, a explicação é simples: nesse período do ano, é natural que os passeios sejam mais frequentes, deixando o pet mais exposto ao ar livre, podendo ocorrer contato mais frequente com gramas e pólen das plantas, por exemplo.

“Isso pode provocar a manifestação de alguns sinas de alergia nos animais predispostos ou atópicos. Por exemplo, se a coceira ocorre na primavera, quando certo pólen está presente, isso restringe o campo de investigação”, explica a docente.

Dermatite atópica

É comum ver os pets se coçando e quando apresentam essa reação os tutores pensam em pulgas ou carrapatos. E, mesmo se após os exames feitos pelo médico-veterinário a coceira não parar, fique atento! Seu bichinho pode estar com dermatite atópica.

A dermatite atópica, também conhecida por dermatite alérgica, inalante ou atopia, está ligada à predisposição genética do animal em desenvolver sintomas alérgicos após uma frequência de contato com determinadas substâncias. “Entre elas estão a grama, pólen, pó e ácaro do pó, alimentar, pulgas, entre outras. Em razão da sua genética, os animais atópicos absorvem pela via cutânea, inalam ou ingerem determinados alérgenos que provocarão reações”, elucida.

Segundo a especialista, cerca de 70% dos cães vão demonstrar os sinais de atopia com idade entre 1 e 3 anos. “Mas a partir do quarto mês de vida até os 7 anos de idade, eles podem apresentar os sinais da reação alérgica. Já após os 7 anos de idade, essa manifestação é mais rara”, diz.

Alguns sintomas devem ser observados pelos tutores, que ajudam a identificar a presença da alergia, como, por exemplo, coceiras em excesso nas patas, virilha, focinho, axilas e orelhas, ou se o bicho ficar se mordendo demais também nessas regiões.

*Perda de pelos, vermelhidão e espessamento da pele;

*Nos ouvidos, faça uma checagem e procure pontos de vermelhidão e odor forte;

*Focinho, queixo e olhos tendem a ficar mais avermelhados;

*Axilas e virilha ficam mais vulneráveis com tendência a manchas.

Em razão da natureza hereditária da doença, várias raças, incluindo golden retrievers, a maioria dos terriers, setters irlandeses, lhasa apsos, dálmatas, buldogues e pastores ingleses antigos, são mais comumente atópicas, mas muitos cães, incluindo cães de raça mista, podem ser atópicos dermatite.

Tratamento

Banhos medicamentosos

Muitos xampus medicamentosos contêm compostos que visam acalmar a pele ferida e acalmar a inflamação. Suplementos – Os suplementos de ácidos graxos essenciais ômega-3 e ômega-6 atuam melhorando a saúde geral da pele. Esses ácidos graxos são agentes anti-inflamatórios e antioxidantes naturais. Eles supostamente são úteis em 20% dos cães alérgicos.

Controle ambiental – Se você sabe a quais substâncias seu cão é alérgico, evitar é o melhor método de controle e associar a uma dieta hipoalergênica. A maioria dos animais de estimação com alergia responde bem quando muda para uma dieta hipoalergênica comprada em lojas.

Higiene adequada do revestimento/remoção de alérgenos do ambiente, se possível

Dar banho no animal de estimação semanalmente para remover os alérgenos da pele pode ser útil para reduzir a exposição ao alérgeno, além de que a água morna é calmante para a coceira na pele. Existem também muitos xampus hidratantes terapêuticos que podem ser usados para restaurar a barreira natural da pele ou para auxiliar no alívio geral da coceira.

Evite brinquedos de pelúcia, lave regularmente a roupa de cama. Isso minimiza a exposição aos ácaros da poeira. Além disso, remova o animal de estimação da área ao aspirar ou tirar o pó. Mantenha o animal longe da grama enquanto está sendo ceifada.

Para finalizar, a especialista destaca que o tratamento é medicamentoso e por meio de xampus e loções antipruriginosas, que evitam a coceira e também para melhorar a barreira cutânea do animal. Muitos cães se beneficiam de banhos frequentes com xampus hipoalergênicos especiais.

“Caso verifique quaisquer manifestações atípicas no pet, leve-o para consulta com o médico veterinário. Seu veterinário pode orientá-lo com relação a um regime adequado ou você pode considerar consultar um dermatologista veterinário para obter orientação mais especializada”, conclui.

Bruna Marques

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.