Veículos apreendidos são leiloados pelo TJMS

leilao

Veículos apreendidos são leiloados pelo TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul). Todos, que serão leiloados, foram apreendidos em ações penais da Justiça Comum e estão para alienação antecipada seguindo Resolução n. 356/2020 do CNJ e Provimento CSM/TJMS n. 450/2019, preservando assim os valores correspondentes aos bens apreendidos, sujeitos à depreciação, desvalorização ou descaracterização pelo tempo, ou pelo simples envelhecimento.

O leilão está sendo organizado e fiscalizado pela Comissão de Alienação de Bens Apreendidos em Ações Penais da Justiça Estadual, vinculada à Corregedoria-Geral de Justiça do TJMS, cujo Corregedor-Geral é o Des. Luiz Tadeu Barbosa Silva. São 59 lotes de veículos para circulação contendo documentação, que podem ser adquiridos por pessoas físicas ou jurídicas, e 16 lotes de sucatas aproveitáveis ou inservíveis, que podem ser comprados por empresas que sejam registradas por órgãos executivos de trânsito.

Maior lance recebido

Após o leilão ser finalizado, será considerado vencedor o maior lance recebido nas condições que estão no edital, o arrematante deve efetuar o pagamento até 48 horas contando do primeiro dia útil seguido do encerramento do leilão, mediante pagamento de boleto bancário, emitido pela Caixa Econômica Federal, tendo como favorecido o TJMS, acrescido de 5% de comissão do leiloeiro, mais a taxa de pátio que já está discriminada no anexo do edital.

O bem comprado será entregue pelo Leiloeiro ao arrematante até 72 horas após a comprovação dos pagamentos, e a documentação necessária à transferência (auto de arrematação, carta de arrematação, cópia do edital e seu anexo, etc.) em até 20 dias após o pagamento. O arrematante disporá do prazo de até 5 dias úteis, a contar da data do início da entrega dos bens, para efetuar a retirada/remoção do lote arrematado de seu local de armazenamento.

O Leilão consiste em modalidade de licitação, o Leiloeiro Público Oficial, a Comissão de Alienação de Bens Apreendidos em Ações Penais, a Corregedoria-Geral de Justiça do Estado de MS, o Tribunal de Justiça do Estado de MS e o Estado de Mato Grosso do Sul não fazem parte dos fornecedores, intermediários, ou comerciantes, sendo o primeiro um mero mandatário, e ficam todos EXIMIDOS de eventuais responsabilidades por defeitos ou vícios ocultos que possam existir em relação aos bens levados a leilão, nos termos do art. 663 do Código Civil Brasileiro, bem como de qualquer responsabilidade em caso de evicção.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *