Sem prescrição médica, vale “bom senso” dos pais para vacinar a criançada

cardeneta cartela vacinacao criancas adolescentes covid-19 governo de sp sao paulo
Foto: Divulgação/Governo de SP

O governo federal anunciou hoje (5) a inclusão de crianças de 5 a 11 anos no plano de operacionalização de vacinação contra a COVID-19. As primeiras doses pediátricas contra a doença – somente do imunizante Pfizer – deverão chegar ao Brasil no dia 13 de janeiro. Após consulta pública, o Ministério da Saúde “desistiu” de obrigar a prescrição médica para a vacinação dos pequenos. Portanto, segundo o titular da pasta, ministro Marcelo Queiroga, resta aos pais “bom senso” se querem ou não vacinar a criançada.

“Nossa campanha de vacinação só tem esse sucesso extraordinário porque as pessoas são livres para escolherem a vacinação. E o brasileiro tem uma tradição de procurar as vacinas. Por isso que a gente vai tão bem”, elogiou o ministro sobre a própria pasta que comanda.

Ao ser questionado na coletiva desta quarta-feira se aconselharia um pai com dúvidas a vacinar seus filhos, Queiroga driblou a pergunta dizendo: “procure um médico de confiança”. Inclusive, esta é a recomendação do próprio ministério: que os responsáveis consultem especialistas em saúde antes de levarem suas crianças para tomar a vacina.

Esquema vacinal

Com duas doses pediátricas, apenas muda o intervalo entre as aplicações – de 21 dias (adultos) para oito semanas (crianças). O tempo é superior ao previsto na bula da vacina da Pfizer, mas, segundo o ministério, “é eficaz e mais seguro”. Para a pasta, há maior risco de miocardia (inflamação na parede do coração) caso não seja respeitado o prazo determinado.

Será preciso que a criança vá vacinar acompanhada dos pais ou responsáveis, ou então com uma autorização por escrito.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.