Os planos para 2022 de quem foi candidato à prefeitura da Capital

eleições
Reprodução/Internet

Após a ‘vitrine eleitoral’ de 2020, maioria faz planos para nova eleição

Dos 14 candidatos que disputaram a Prefeitura de Campo Grande em 2020, ao menos nove devem disputar
cargos nas eleições de 2022. No rol, está o prefeito Marquinhos Trad (PSD), anunciado pelo presidente nacional de seu partido, Gilberto Kassab, como nome da sigla para disputar o governo de Mato
Grosso do Sul, além de deputados que vão concorrer à reeleição e pré-candidatos dispostos a tentar novos cargos depois de aparecer na mídia na campanha anterior.

Até agora, Marquinhos não confirmou se deixará o cargo seis meses antes das eleições para ser candidato
no ano que vem. De qualquer forma, as lideranças de seu partido dão seu nome como certo para concorrer
à sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

O promotor Sergio Harfouche, hoje sem partido, disse ao jornal O Estado que, por conta da legislação e do
cargo que ocupa, não pode comentar sobre futuro político. Ele teve 48.094 votos para prefeito pelo Avante, anulados pela Justiça Eleitoral. Tem força política no Estado e é cotado a concorrer em 2022.

Para federal

A delegada Sidnéia Tobias ficou conhecida na vitrine eleitoral ao ser candidata a prefeita pelo Podemos. Teve 19.103 votos e agora deve concorrer a deputada federal. “Com as novas regras eleitorais, a campanha de 2020 foi fundamental. Hoje a gente teme espaço para disputar a nível estadual, federal e vagas na majoritária. Isso foi muito bom, e me deu oportunidade de conhecer mais as pessoas e elas me conhecerem”, disse Sidnéia.

Para ela, o Podemos cresceu muito e fará diferença em 2022. “O projeto é sólido, forte e pessoas que já
tem história em MS. E isso é importante. Quando vamos escolher um político temos de ver de onde ele veio e para que veio, isso é fundamental.”

Reeleição

Dos que têm mandato, vários vão tentar a reeleição. É o caso do deputado estadual Pedro Kemp (PT), que
teve 34.546 votos na eleição municipal. Questionado se a disputa pela prefeitura dá projeção para 2022, o petista admitiu que existe a vitrine, mas com ressalva. “Sem dúvida, a campanha para prefeito dá muita visibilidade e projeção. Mas acredito que isso não é suficiente para garantir a reeleição, mas o trabalho realizado nos quatro anos de mandato.”

O presidente do PDT-MS, deputado federal Dagoberto Nogueira, afirmou que disputará reeleição para projetar também a campanha de Ciro Gomes a presidente da República. Em 2020, Dagoberto teve 6.507 votos para prefeito. “Ser candidato a prefeito em Campo Grande foi uma grande experiência e oportunidade de mostrar nossa linha de pensamento. Venho pra reeleição, pois acredito que ainda tenho muito pra fazer pelo nosso Mato Grosso do Sul.” O deputado estadual Marcio Fernandes (MDB), que teve 12.522 votos para
prefeito, afirmou que também disputará a reeleição na Alems.

Para governador

O engenheiro Marcelo Bluma, presidente regional do PV, disse que vai disputar o governo. “Como sempre fazemos, lançaremos candidatos para os cargos majoritários e, a princípio, sou o pré-candidato a governador
pelo PV.” Para Bluma, a eleição de 2020 foi atípica por conta da pandemia. Ele teve 2.657 votos. “Por causa da pandemia, a campanha se deu somente pela TV e redes sociais e sem qualquer tipo de debate ou participação em entrevistas, fato que dificultou sobremaneira a nossa participação. Entretanto, com o recuo
da pandemia teremos uma campanha diferente no próximo ano, quando o PV terá, com certeza, uma grande participação.” O deputado estadual João Henrique (PL) disputará em 2022 o governo, segundo informado pela assessoria. Na eleição municipal, ele obteve 10.123 votos.

Outros projetos

O ex-vereador Vinicius Siqueira teve 34.066 votos para prefeito pelo PSL, após disputa no partido com o deputado federal Loester Trutis, que queria ser candidato. Hoje presidente regional do PROS, Siqueira não
quis antecipar se será candidato e afirmou que tem agenda com o presidente nacional do PROS, Erípedes Júnior, para planejamento. O empresário Guto Scarpanti teve 4.811 votos para prefeito pelo Novo e avalia disputar uma vaga na Alems. “Até o momento isso ainda não está muito claro porque o foco do nacional é eleger deputados federais. Mas parece que temos uma possibilidade de concorrer para vaga na Assembleia e, se confirmando essa possibilidade, esse é o caminho que gostaria de seguir para 2022.”

A presidente regional do PSOL, Cris Duarte, que teve 4.621 votos na eleição para a Prefeitura de Campo Grande em 2020, pretende também concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa. “Temos uma Assembleia que em 2018 passou a vergonha nacional de ser a única sem nenhuma mulher eleita. Precisamos enfrentar isso com um problema grave da democracia e do machismo em MS.”

O ex-secretário Marcelo Miglioli, que teve 7.899 votos pelo SD, disse apenas que “é muito cedo para essa definição”. O advogado Esacheu Nascimento, que pelo PP teve 10.170 votos, e o pecuarista Paulo Matos do PSC, que teve 1.884 votos, não responderam se serão candidatos.

Texto de Rayani Santa Cruz

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.