Menos de 20% da população campo-grandense foi testada

Estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) em 906 mil moradores, Campo Grande testou proporcionalmente apenas 17% de sua população para diagnóstico de COVID-19. Dados do Painel Mais da SES (Secretaria de Estado de Saúde) apontam que a Capital já realizou desde o início da pandemia cerca de 156,6 mil exames RT-PCR, além de testes rápidos.

Conforme a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), o município possui em estoque 6.990 testes rápidos nos distritos sanitários para serem distribuídos às UBSs (Unidades Básicas de Saúde), mediante a necessidade. Apesar do crescimento da doença nos últimos 14 dias, em nota, a secretaria afirmou que essa quantidade é suficiente para atender a demanda.

Com a população de 2,8 milhões, Mato Grosso do Sul possui em estoque, apenas 51,6 mil testes RT-PCR. Em relação aos testes rápidos, MS possui 17 mil unidades, exames suficientes para apenas 0.6% dos moradores do Estado.

Em Campo Grande, são realizados em média 98 testes por dia nas 71 UBSs e UBSFs (Unidades Básicas de Saúde da Família). Em relação aos testes RT-PCR, a Sesau informou que, em média são retirados 600 exames por dia no Lacen-MS (Laboratório Central de Mato Grosso do Sul) para serem distribuídos às unidades de teste no município.

Entre os dias 16 a 23 de novembro, período de ascensão da doença na Capital, foram realizados 1.170 exames nas unidades básicas de saúde, conforme a Sesau. Destes, 82 deram positivo e 205 ainda aguardam o resultado.

Somente nesta segunda-feira (23), 305 exames foram feitos, entre testes rápidos e swab nas 71 unidades de saúde do município. 33 deles tiveram resultados positivos para o novo coronavírus.

Percentual

Segundo a infectologista e integrante do COE (Comitê de Operações de Emergência) da SES, Mariana Croda, estes índices de testagem em Campo Grande não são considerados baixos, haja vista que, o coronavírus permanece em ascensão na Capital.

Em relação a subnotificações, Croda afirmou que para cada caso confirmado da doença, de três a seis casos deixam de ser informados. O percentual é resultado da primeira fase do estudo Epicovid19-BR (Evolução da Prevalência de Infecção por COVID-19 no Brasil), coordenado pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel (Universidade Federal de Pelotas), em parceria com o Ministério da Saúde. No Estado, foram analisados dados das cidades de Corumbá, Três Lagoas e Campo Grande.

Croda reiterou que, não há um ideal de testagem na população, e que isso depende da dinâmica da transmissão da doença. “Não adianta testar assintomáticos, amostras aleatórias como tem sido feita com testes rápidos. Nós queremos que sintomáticos tenham acesso aos exames, assim como seus contatos”, frisou.

Após registrar alta procura por atendimentos no Disque Covid de Campo Grande, o CBMMS (Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul) já abriu a agenda para testes no mês que vem. Só ontem (25), o canal recebeu 2,9 mil ligações.

De acordo com o coronel e diretor de Saúde do CBMMS, Marcello Fraiha, por dia, são realizados 258 testes RT-PCR no drive-thru, além de 250 testes rápidos na Escola Estadual Lúcia Martins Coelho. Fraiha reiterou que, por ora, a SES não tem a intenção de ampliar a testagem na Capital, tendo em vista que as 71 unidades de saúde do município fazem a coleta de exames para diagnóstico de COVID-19.

Taxa de internação 

O HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul), referência para o tratamento de COVID-19, chegou a 100% da ocupação dos leitos COVID nesta semana. Santa Casa de Campo Grande, retaguarda do HRMS também permanece sobrecarregada, com todos os 10 leitos destinados ao tratamento de coronavírus ocupados. As visitas na instituição foram suspensas, uma tentativa de diminuir a rede de propagação da doença.

De acordo com a diretora-presidente do HRMS, Rosana Leite de Melo, em quatro dias, no período de 20 a 24 de novembro, 22 pacientes foram transferidos da instituição por conta da lotação. Questionada sobre a possibilidade de ampliação de leitos, Melo afirmou que a instituição dispõe dos equipamento e insumos necessários e que o problema maior é em relação aos recursos humanos.

Após solicitação ao governo do Estado, a diretora-presidente confirmou que um novo processo de contratação emergencial deverá ocorrer em breve. “Por conta de diversas desistências, precisamos de 60 médicos plantonistas de UTI e para o pronto-socorro”, ressaltou.

Serviço:

O teste rápido pode ser feito em todas as unidades de saúde da Capital, não é necessário realizar agendamento. O RT-PCR é coletado em 12 UBSFs: Batistão, Parque do Sol, 26 de Agosto, Tiradentes, Dona Neta, Moreninha, Vila Nasser, Oliveira, Nova Bahia, São Francisco, Aero Itália e Albino Coimbra. A população também pode agendar testes pelo Disque COVID do Corpo de Bombeiros no telefone 0800 647 0911.

(Texto: Mariana Moreira)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *