Simone Tebet diz que indícios de rachadinha deve dar origem à nova CPI

rachadinha

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que as investigações da CPI da Covid podem dar origem à nova apuração, dessa vez sobre esquema de rachadinhas. A congressista faz parte bancada feminina da comissão.

“Nós temos, sim, condições de entregar o relatório para aquilo que foi o objeto principal. Mas, no meio do caminho, apareceram várias pedras, vários esquemas e a cada dia aparecem outros. Enquanto estamos fechando essas caixinhas, outras surgem”, declarou a senadora em entrevista ao jornal Correio Braziliense, publicada nesta quarta-feira (8).

Segundo Tebet, a CPI da Covid está agora focada em finalizar os trabalhos. “Paralelamente a isso e, muito mais grave, é que a CPI pode dar margem a uma outra CPI, por conta dos personagens –principalmente esse Marconny [Faria], ligado à advogada do presidente [Karina Kufa], que tem relação com o filho 04 [Jair Renan Bolsonaro]”, falou.

Reportagem da Folha de S.Paulo publicada em 1º de setembro mostra que Jair Renan teve auxílio de Marconny Faria para abrir empresa. Mensagens obtidas em investigação do MPF-PA (Ministério Público Federal do Pará), em posse da CPI, mostram que ele encaminhou um passo a passo para fraudar uma disputa de dispensa de licitação do Ministério da Saúde a José Ricardo Santana, ex-secretário da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Senadores veem Faria e Santana como lobistas posicionados em ambas as pontas do processo de contratação pública. “Podemos estar diante também de novos esquemas de corrupção, não ligados à pandemia e relacionados a rachadinhas. Isso vai significar, provavelmente, que o Congresso abra outras CPIs, como a CPI da Rachadinha –pode envolver o senador [Flavio Bolsonaro], que manteria o esquema mesmo exercendo o atual cargo”, afirmou Tebet.

Flávio Bolsonaro foi denunciado no ano passado pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, apropriação indébita e peculato (uso de dinheiro público para fins pessoais). A denúncia ainda não foi aceita pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro).

A investigação mira repasses de salários de servidores do antigo gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) ao ex-assessor Fabrício Queiroz, prática conhecida como rachadinha.

Simone Tebet afirmou que a CPI tem “a confirmação da omissão dolosa do governo federal na condução da pandemia, no atraso da compra de vacinas eficazes e eficientes, na omissão de um planejamento e coordenação nacional, que é de responsabilidade exclusiva da União”. Acesse também: Secretaria orienta quem perdeu data da 1ª dose a procurar vacinação

Mais notícias no Jornal Impresso rachadinha

(Com informações do Poder 360 com Correio Braziliense)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.