Rose diz não disputar governo, mas se povo a lançar está pronta

ROSE MODESTO
Eliane Ferreira

Deputada garante ter três alternativas: reeleição, Senado e governo

Em visita ao jornal O Estado, a deputada federal Rose Modesto deixou claro que não pretende ser vice de ninguém nas próximas eleições em 2022. “Hoje tem governo, reeleição, Senado, mas vice, não.” O que significa que seu nome fica à disposição caso seja a opção do partido.

A parlamentar esclareceu que neste momento seu projeto não é disputar o cargo de governadora, mesmo porque o PSDB já tem um nome definido (Eduardo Riedel) para a sucessão de Reinaldo Azambuja. “Tem cargos como a reeleição, Senado. Me lançar candidata a governo, não! Ninguém pode ser candidato de si mesmo, mas se o povo me lançar estou pronta”, definiu Rose Modesto, sobre uma possível candidatura.

Na questão a respeito de possíveis coligações que possam acontecer para a eleição do ano que vem, Modesto esclareceu que ainda não foi discutido o assunto dentro do partido. Na questão nacional, e como ela pode influenciar a eleição em Mato Grosso do Sul, para a deputada, essa polarização aventada nos últimos dias entre Lula e Bolsonaro, “no Estado tem espaço tanto para uma candidatura ligada a Bolsonaro como também tem o grupo de esquerda. E tem ainda para uma candidatura de centro. Essas definições vão encontrar espeço em Mato Grosso do Sul em todas as alternativas, direita, esquerda, centro.”, resume.

Na questão nacional, onde o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Arthur Lira, pretende votar as reformas significativas como administrativa e tributária, Rose Modesto, que ocupa a terceira secretaria da Casa de Leis federal, acredita que a mais importante no momento é a tributária.

“Na avaliação de todos, a reforma tributária é o melhor a ser debatido para conseguirmos realmente aprovar. Ela representa uma possibilidade de buscar uma retomada, com ajuste fiscal mais organizado. A questão de unificar os impostos. Tudo isso pode trazer, por exemplo, para Mato Grosso do Sul, uma competitividade maior para atrair empresas, indústrias. Acho que o momento, por conta dessa crise que a pandeia trouxe, que é na saúde, na economia, social, a reforma tributária é fundamental”, garante Modesto.

A parlamentar vai mais além e diz que há um entendimento de se aprovar o mais rápido possível essa reforma, e ela acredita que isso deve acontecer ainda neste primeiro semestre de 2021. (Alberto Gonçalves)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *