Preço da cesta básica na Capital compromete mais da metade do salário-mínimo

Cesta basica
Foto: Marcos Maluf/Jornal O Estado
Por Taynara Menezes – Jornal O Estado MS

O valor de R$ 706,12, em maio, ocupa 62,98% da renda mensal do trabalhador

O preço da cesta básica, em Campo Grande, continua pesando na renda mensal do trabalhador. Conforme levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), mesmo que em maio o preço tenha se reduzido para R$ 706,12, ainda ocupa 62,98% do salário-mínimo líquido, que, descontada a Previdência (7,5%), sai de R$ 1.212 para R$ 1.121,10.

“O valor ainda custa mais da metade do salário-mínimo desde o ano passado quando entramos na casa dos 60% e não saímos mais”, destaca a economista do Dieese de Campo Grande, Andrea Ferreira.

Em relação à jornada de trabalho, são necessárias 128 horas e 10 minutos para comprar o conjunto de alimentos para uma pessoa. Neste caso, seria necessário trabalhar 8 horas, por cerca de 16 dias.

Retração

Conforme o último levantamento, Campo Grande  registrou a queda mais expressiva do país, de 7,30%. Em seguida estão Brasília (-6,1%) e Rio de Janeiro (-5,84%).

“Depois de quatro meses em alta, finalmente a primeira retração. A mais expressiva foi em Campo Grande”, comentou a economista do departamento. Em relação ao preço, Andrea ressalta que foi influenciado pela queda dos valores dos produtos do campo, como tomate e batata.

“Tivemos uma retração também nos produtos do campo, que eram os que mais pesavam na cesta. Dessa vez caiu o preço do tomate. Esse foi o principal responsável pela queda expressiva”, completou.

Em contrapartida, o acumulado em 12 meses chegou a 22,80%. No ano, o resultado é de 10,10%. “Chegamos a 20% no acumulado de um ano, isso só nos cinco primeiros meses, é muita coisa, variação de 20% no ano é alto, mas são 12 meses e, neste prazo, muita coisa pode acontecer, já em cinco meses é mais complicado”, destaca.

Itens

O tomate teve redução de 40,04%. Seguido de batata (-15,68%), banana (-14,42%), café em pó (-4,91%), óleo de soja (-1,99%), açúcar cristal (-1,88%) e carne bovina (-0,74%).

Em contrapartida do cenário, a farinha de trigo continuou pesando no bolso, com variação de 5,02%, chegando ao preço médio de R$ 4,74 o pacote com um quilo. O leite de caixinha teve aumento de 4,69%, o feijão carioquinha (1,98%), o pão francês (1,44%), o arroz agulhinha (1,16%) e a manteiga (0,83%).

Cesta basica

Confira mais notícias no Jornal O Estado MS.

Acesse também as redes sociais do O Estado Online no Facebook Instagram.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.