MS participa de criação de rota turística Brasil e Chile

Mato Grosso do Sul participa do avanço das tratativas para concretizar o Corredor Rodoviário Bioceânico de carga ligando o Brasil – via Porto Murtinho – ao Chile, passando pelo Chaco paraguaio e o Norte da Argentina, representantes dos quatro países decidiram iniciar estudos para se implantar uma rota turística acompanhando o mesmo traçado. O Turismo foi tema da Mesa de Trabalho número 5, coordenada pelo secretário nacional de Integração Interinstitucional do Ministério do Turismo do Brasil, Bob Santos, e que teve como redator Cristiano Circuito, da Associação Brasileira das Agências de Viagens de Mato Grosso do Sul (ABAV/MS).

A decisão saiu durante a VIII Reunião do Grupo de Trabalho do Corredor Rodoviário Bioceânico, que contou com a participação de delegações do Brasil, Chile, Paraguai e Argentina no Hotel DeVille, em Campo Grande, nos dias 21 e 22 de agosto, e teve a presença de autoridades como o governador Reinaldo Azambuja, senadores Nelsinho Trad e Soraya Thronicke, deputados federais Luíz Ovando e Vander Loubet, os embaixadores Mónica Dinucci, da Argentina; Glória Irma Amarilla, do Paraguai; Roberto Ruiz Piraces, do Chile; e Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores do Brasil.

O Turismo entrou na pauta de discussões do GT nesta reunião e as articulações já avançaram bastante. Ficou decidido que será feito um mapeamento dos atrativos turísticos existentes ao longo do Corredor, nos quatro países. Também será criada uma marca da Rota Bioceânica a ser utilizada na promoção turística de seus atrativos pelos quatro países. O detalhamento desse tema acontecerá na 9ª Reunião do GT, a ser realizada em Antofagasta (Chile), ainda neste ano.

A rota do turismo bioceânica vai ser elaborada pelos participantes do grupo que discute o Corredor Rodoviário ligando Mato Grosso do Sul ao Chile

Detalhes como a documentação dos veículos e motoristas, vacinas obrigatórias, a ausência de postos de combustíveis em alguns trechos, e a necessidade de melhorar a infraestrutura para acolher os turistas foram levantados na reunião e devem integrar um estudo mais aprofundado a respeito. A Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul ficou responsável por elaborar uma ficha de coleta de informações para verificar as exigências, produtos turísticos e estrutura disponível e o perfil dos atuais visitantes, que será preenchida por cada país no prazo de 30 dias.

A Fundtur também será responsável por alinhar estratégias de organização de expedições turísticas para promover a rota, sendo que na ocasião já foi apresentada a “Expedição Rota 67 e o 1º Tour da Harley Davison”. A ABAV/MS está encarregada de fazer contato com as locadoras de automóveis para encontrar uma solução à dificuldade de alugar um veículo que possa transitar livremente por todos esses países.

A concretização de uma rota turística com toda a infraestrutura necessária (postos de combustíveis, acomodação, restaurantes) ao longo do trajeto e sem a burocracia atual para transpor fronteiras, vai permitir que a família sul-mato-grossense visite o Chile – e vice-versa – de carro, percorrendo uma distância de aproximadamente 2.400 quilômetros. É mais perto do que uma viagem de Campo Grande a Salvador (BA), por exemplo, distante 2.500 quilômetros. Cabe ressaltar os atrativos que o turista aventureiro poderá apreciar pelo caminho: as paisagens do Chaco paraguaio, a região montanhosa de Salta (no pé da Cordilheira dos Andes) e a travessia do deserto de Atacama, no Chile, sabores e visual que formam ingredientes de uma viagem sem comparação, com certeza. (Rafael Belo com assessoria)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.