Frio chega com tudo e campo-grandense abusa da criatividade para espantar sensação

Frio
Nilson Figueiredo

Com frio e chegada de massa de ar polar a Mato Grosso do Sul derrubou as temperaturas e mudou o cenário nas ruas de Campo Grande. De um dia para o outro, moradores tiveram de tirar o casaco do guarda-roupas e substituir bermudas e camisetas por agasalhos reforçados, luvas e toucas. Para se proteger, moradores passaram a usar e abusar dos casacos e da criatividade para criar “receitinhas” que mandam a sensação gelada para longe.

A dona de casa Val Souza, de 46 anos, conta que tem uma receita infalível para os dias de frio. Basta a temperatura cair que ela corre até o fogão para preparar o que chama de “combo imunidade”. “É um chá de gengibre, hortelã e casca de limão. A gente toma embaixo de uma coberta, depois de um banho quente e hiberna dentro de casa”, afirma.

A mudança repentina no clima também reacendeu a velha disputa entre quem ama e aqueles que detestam o frio. Nascida em Ladário, Val foi criada em uma das regiões mais quentes do Estado, por isso é assumidamente do time dos que não gostam nem de ouvir falar em frio. “Clima assim é horrível, não tem como gostar”, completa.

Para Rose Paulino, de 59 anos, o chá também é um aliado, mas, melhor que ele, só mesmo ficar dentro de casa até que o calorão volte. “Me agasalho bem, pego uma coberta e fico em casa. Só saio quando não tem outro jeito”, relata. Para ela, a única parte boa do frio é quando ele termina. “A gente não está acostumado com esse tempo. É muito difícil”, finaliza.

Mesmo não gostando de sentir na pele o frio que se instalou na cidade, a ambulante Clarice Freire, de 54 anos, não tem do que reclamar quando o assunto é o lado financeiro. Na Praça Ary Coelho, a vendedora oferece chá, leite e café quentinhos e, por causa da queda nos termômetros, viu a clientela aumentar. “Meu movimento aumentou bastante porque o pessoal procura alguma coisa para se esquentar”, conta.

Segundo a meteorologia, nas primeiras horas de segunda-feira (19) a Capital registrou 7ºC com sensação térmica de 5ºC. Clima até agradável perto de Rio Brilhante, que teve a menor temperatura do Estado. Por lá, os termômetros registraram -1,5ºC e a sensação térmica chegou a -5ºC.

Em Santa Rita do Pardo e Bela Vista a mínima atingiu 2ºC, mas na primeira cidade a sensação chegou a -1ºC, ao passo que na segunda, ficou em 0ºC. Houve registro de geada em Ponta Porã, Dourados, Itaporã, Iguatemi, Itaquiraí e Aral Moreira. Nessas regiões, a temperatura não passou de 5ºC.

Conhecida pelo forte calor, Corumbá teve a maior temperatura, mas não deixou de entrar na onda de frio. Ao amanhecer o registro na Cidade Branca foi de 13ºC com sensação de 11ºC.

Prepare o casaco – O meteorologista Natálio Abrahão afirma que desta vez o frio será ainda mais forte que o último, registrado há cerca de um mês. Segundo ele, quarta- -feira (21) será o dia com temperatura mais baixa, mas a partir de quinta-feira (22) o cenário começa a mudar. “Quinta-feira a temperatura sobe um pouco, na sexta-feira o frio ameniza ainda mais e no fim de semana as condições serão mais agradáveis, com manhãs frias e a tarde mais aquecida”, antecipa.

No entanto, Natálio alerta para a umidade do ar, que, de acordo com ele, apresentará níveis preocupantes. “Estará em queda extrema, abaixo de 20%”, comenta. Por isso a recomendação é para que se redobrem os cuidados com a hidratação do corpo.

Leia também matérias do impresso

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.