Fazendas de líder do MST no Paraguai não foram confiscadas

É falsa a notícia de que as fazendas do líder do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) foram confiscadas pela Polícia Federal. Esta informação circula nas redes sociais e a Agência Lupa comprovou ser fakenews

“O serviço Nacional de Cadastro e a Força Tarefa, em cooperação com a Polícia Federal, confiscaram três fazendas do líder do MST, João Pedro Stedile”
Legenda de imagem que circula no Facebook e até as 17h do dia 13 de agosto de 2019, tinha sido compartilhada mais 19 mil vezes na plataforma.

FALSO
A informação analisada pela Lupa é falsa. Na realidade, a Polícia Federal confiscou os terrenos no Paraguai do traficante Luiz Carlos Rocha, que não tem ligação com o MST. O economista e ativista João Pedro Stédile, citado no post, não tem qualquer relação com os imóveis. A ação da PF ocorreu em abril de 2019 e foi um desdobramento da Operação Spectrum, que cumpriu mandados de busca, apreensão e sequestro de bens no valor de R$ 68 milhões.

Duas das três fotos da publicação que circula em redes sociais não correspondem às fazendas confiscadas no Paraguai. A primeira imagem mostra um imóvel localizado no município de Campo Novo do Parecis, Mato Grosso, chamado Irmãos Garcia. A segunda, por sua vez, ficava no município Comodoro, também no MT, e foi a leilão em junho de 2017. A terceira imagem, sim, apareceu em reportagens (aqui e aqui) como sendo de uma das fazendas confiscadas pela Polícia Federal.

Essa informação foi verificada pelo Boatos.org e Aos Fatos. (Rafael Belo com Agência Lupa)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.