SORTEIO: João Matheus pode sorrir mais?

JM3

Nesta sexta-feira (9),  daqui a pouco às 18h. A página @crossfitpantaneiros vai sortear a rifa onde o vencedor leva três meses de treinamento gratuito na Crossfit Pantaneiros. O valor arrecadado é para comprar a cadeira do modelo Lisa para João Matheus viver melhor. A rifa é 10 reais, mas quem quiser contribuir de outras maneiras o pix de Maria é cpf 858.088.731-34. Já quem não uso este método tem a conta do Banco do Brasil:  Agência 0048-5,  Conta corrente 146.254-7, no nome de Maria trindade da Silva.

A crossfit Pantaneiros é parceira da cross shop que doou uma quantia em produtos para incentivar a venda das rifas e também as venderam. A mãe de João Matheus, Maria Lia, agradece o empenho de tanta gente e afirma que João Matheus parece estar sempre muito feliz. Ela lembra que não sabe como deu conta. Porém, tudo compensa. “Meu filho ama passear. Há muitos anos luto pra comprar essa cadeira para melhorar a qualidade destes passeios, mas passeio com ele de carro, no colo, sempre damos jeito”, frisa. 

Desde seu nascimento prematuro até agora, aos nove anos, João Matheus precisa de ainda mais atenção da mãe. Ele nasceu de prematuridade extrema 5 meses, 870 gramas 33 centímetros, com paralisia cerebral 4, encefalopatia crônica não evolutiva, microcefalia, cardiopatia, retinopatia, disfagia moderada e deficiência visual. A mãe, Maria Lia, faz crossfit e o pessoal do Crossfit Pantaneiros a ajuda. A iniciativa de fazer algo para arrecadar dinheiro foi deles e até agora já conseguiram seis mil reais. Era apenas para ajudar na entrada da cadeira: 3 mil reais. Mas, agora já passa dos seis mil reis.

Dificuldade

“Foi muito difícil, primeiro filho e muitas questões pra lidar e sozinha. Muita gente achava que eu exagerava e não era  tudo isso. Então, fui pro meu canto com ele, e comecei a ir atrás do melhor pra ele”, revela. Para Lia, o pensamento tem que ser otimista. “Sempre penso: se Deus confiou em mim a vida do meu filho sabe que dou conta. A vida é de fases e todas passam”, avalia.

Com a garra dessa mãe, João Matheus mostrou ser um milagre. “Quando fui atrás do diagnóstico do meu filho em São Paulo, o médico me disse que se vivesse até os 7 anos era muito e me mandou eu engolir o choro porque não tinha jeito”, pontuou. Com esta “acolhida”, Maria Lia ficou ainda mais próxima do filho. “Antes dos 7 anos do meu filho, eu não saia sem ele pra nada porque tinha medo de perdê-lo a qualquer momento e não estar perto”, revelou.

Assim, Maria Lia, avalia que foram muitas batalhas e muitos milagres, mas que sempre aceitou o filho do jeito dele. “Amo ser mãe. Minha vida depois dele é outra. Aprendi outros valores e não trocaria por nada no mundo. Deus sabe todas as coisas”, conclui.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.