Pós-primárias: Pânico nos mercado financeiro da Argentina

Depois da emblemática vitória de Alberto Fernández nas eleições primárias, com percentual muito maior que as pesquisas apontavam, o mercado financeiro na Argentina reagiu, com mais desvalorização do peso e queda nas ações das empresas argentinas em Wall Street. Algumas das perdas de valor superaram o patamar de 50% na principal bolsa do mundo. Já a moeda do país manteve o drama que atinge a cotação frente ao dólar em 30%, no pregão desta segunda-feira (12).Para comprar um dólar eram necessários 60 pesos, frente aos 45 (ou menos) da última sexta-feira (9).

Os mercados apoiam claramente Macri. Sua reação nesta segunda-feira foi ainda mais virulenta que o esperado depois de viver uma jornada de euforia na última sexta, após a divulgação de pesquisas que apontavam o triunfo do atual presidente por uma pequena margem — um cenário muito distante do vivido neste domingo. Os surpreendentes quase 15 pontos de diferença entre Fernández e Macri, 47% contra 32%, preparam o caminho do ex-chefe de Gabinete dos Kirchner rumo à Presidência. Se o resultado for mantido nas eleições gerais de outubro, Fernández seria eleito chefe de Estado sem a necessidade do segundo turno. Macri se antecipou na noite de domingo a uma segunda-feira que seria complicada. Depois de reconhecer sua derrota, pediu a Alberto Fernández que colabore com a governabilidade. “Eu farei a minha parte, como sempre; os vencedores de hoje também têm a sua responsabilidade”, disse na sede da coalizão Juntos pela Mudança.

O candidato da peronista Frente de Todos é visto como mais moderado que sua companheira de chapa, a ex-presidenta Cristina Kirchner. Ainda assim, durante a campanha ele afirmou que seu governo reduzirá a atual taxa de juros recorde do Banco Central da Argentina (60%) e buscará uma renegociação do empréstimo de 57 bilhões de dólares (227 bilhões de reais) contraído por Macri ante o Fundo Monetário Internacional (FMI).

A depreciação do peso se vislumbrava desde cedo, quando os principais bancos vendiam o dólar a mais de 50 pesos a unidade em suas operações on-line. Mas a moeda argentina despencou logo que começaram as operações cambiais, chegando a figurar a 61 pesos em alguns telões.

Em Wall Street, os papéis argentinos sofriam uma segunda-feira terrível, em especial os dos bancos e das companhias de energia. As ações do Grupo Financiero Galicia caíam mais de 57,5%, as do Grupo Supervielle quase 60%, as da Pampa Energía eram negociadas com uma baixa de 43% e as da YPF com uma queda de 36,7%. A empresa de tecnologia Mercado Libre também perdia 12%, menos que as demais.

A brusca desvalorização do peso teve um impacto nas demais economias regionais. Esta manhã, o real depreciou-se 1,5%, o peso mexicano 1,46% e o peso chileno, 0,85%.

A cotação do dólar tem uma importância essencial na vida política e econômica argentina. É a moeda de poupança que os argentinos usam para se protegerem das crises recorrentes. Seu valor influi muito na inflação, não só pelo aumento das peças e dos produtos importados, mas porque as fábricas e lojas aumentam os preços com rapidez para tentar minimizar possíveis perdas. (Danilo Galvão com informações do El País)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.