Bienal Black Brazil Art seleciona artista de Campo Grande

189788263_10224056581895184_5488258067475019732_n

“Eu tô bastante feliz. Eu não consegui Aldir Blanc. Fui desclassificada. Estava bem chateada. Por que por mais que tenha conquistado muitas exposições nessa cidade, um prêmio me ajudaria muito, e nunca consegui aqui”, confessa a artista plástica de Campo Grande, Erika Pedraza selecionada para a Bienal Black Brazil Art. O evento dura três meses e conta com aulas remotas do Brasil, Uruguai, Estados Unidos, Indonésia, Canadá, Alemanha e Itália. A premiação para o melhor projeto é uma exposição individual no Canadá.

De julho a agosto, Erika Pedraza vai se desafiar. “É um lugar onde curadores e as outras artistas estarão. Meu desafio é criar uma série sendo orientada durante esses 3 meses, Eu ainda não sei o que irei produzir, mas tenho umas ideias em mente”, conta. O evento termina em uma exposição coletiva no Uruguai  e a melhor obra ganha uma individual no Canadá.

É visibilidade pra mim. Conquistar outras terras é importante. Levar meu nome. Eu estou animada e orgulhosa. Tenho passado por muito estresse nesses tempos. Essa residência esquentou meu coração”, revela. Para ela, essa seletiva de residência artística com curadores e artistas  é uma troca, um aprendizado que nunca viveu. O que a deixa feliz, principalmente representando seu Estado. 

*Etapa 1: segunda edição da bienal black –

presencial ou semi (nov.21 à jan.22);

Total da duração do curso residência: 3 meses.

Localidade remota das aulas: Brasil, Uruguai,

Estados Unidos, Indonésia, Canadá, Alemanha, Itália.

Perfil: artistas, educadores, curadores, pesquisadores,

coletivos, ativistas e outros profissionais das artes,

residentes no Brasil e exterior.

*Etapa 2: intervenção artística em Montevidéu no Uruguai

na Casa de la Cultura Afrouruguaya;

 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *