Pesquisa mostra confiança da população mundial nos professores; profissão ficou em 1º lugar

Profissões
Agência Educa Mais Brasil

Instituto Ipsos ouviu mais de 19 mil entrevistados em 28 países

Um levantamento realizado pelo Instituto Ipsos a pesquisa Global Trustworthiness Index 2021 mostrou que o lugar mais alto do pódio no Brasil é reservado aos professores. Os profissionais da educação foram citados por 68% dos brasileiros como digna de confiança, empatada com os cientistas. Em segundo lugar ficaram os médicos, com 66%. Em terceiro, mesmo que em menor proporção, ficaram os membros das Formas Armadas e os homens e mulheres comuns, ambos com 35%.

Realizada em 28 países, o estudo aponta que desses o Brasil e o Chile são os que mais confiam nos professores, com percentual de 68% dos respondentes demonstrando confiança. Em segundo lugar está a Rússia (67%) e, na terceira posição, ficam empatados Malásia, China e Arábia Saudita (cada um deles com 65%). Em contrapartida, os japoneses (22%), sul-coreanos (33%) e alemães (40%) são as nacionalidades que menos enxergam a profissão de professor como confiável. E se os professores estão em primeiro lugar, em contrapartida, os menos confiáveis são os políticos em geral, com 77% da opinião dos brasileiros. O segundo lugar na lista negativa não foi muito diferente: 65% dos entrevistados no país responderam “os membros do governo”. Para completar o pódio, os banqueiros não são confiáveis para 47%.

Os ofícios que menos inspiram confiança, de acordo com a média global, são os políticos em geral (citados por 63% como não-confiáveis), os membros do governo (54%) e os executivos publicitários (37%) – esses últimos não ganharam destaque na lista brasileira.

A pesquisa foi realizada on-line e ouviu 19.570 entrevistados com idades entre 16 e 74 anos. Os dados foram coletados de 23 de abril a 07 de maio de 2021. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 pontos percentuais. Confira abaixo a lista completa das profissões e o seu percentual de confiabilidade:

1º – Professores (68%)

2º – Cientistas (68%)

3º – Médicos (66%)

4º – Membros das forças armadas (35%)

5º – Homens e mulheres comuns (35%)

6º – Policiais (30%)

7º – Jornalistas (34%)

8º – Pesquisadores de opinião (IBGE, IBOPE…) (33%)

9º – Funcionários Públicos (27%)

10º – Apresentadores de televisão (26%)

11º – Juízes (26%)

12º – Padres, clérigos e pastores (25%)

13º – Empresários (23%)

14º – Advogados (22%)

15º – Publicitários (19%)

16º – Banqueiros (14%)

17º – Trabalhadores do governo (9%)

18º – Políticos em geral (6%)

(Agência Educa Mais Brasil)

 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *