Pedra Bruta mostra que vale a pena apostar na arte sem limites!

 

Para quem não sabe, pedra bruta é um símbolo maçônico  que representa imperfeição, enquanto que o que está acabado e apresenta detalhes, é representado por um bloco esculpido. Nesse sentido, os aprendizes da maçonaria são tal como pedras brutas – imperfeitos espiritualmente – quanto mais esculpidas essas pedras, mais graduados os maçons se tornam na sociedade secreta, sendo esse o seu objetivo. Estranhamente vão até dizer o que tem a ver a relação com a peça teatral “Pedra Bruta – Ensaio para colher o provisório das coisas”, com atores residentes em Campo Grande, encenada no Teatro Prosa – Sesc Horto por quatro dias.

No palco, atores que se denominam amadores e muitos buscando a oportunidade de uma experiência pela primeira vez em palco.  A peça da Cia Teatral OFIT, teve com a dramaturgia de Éder Rodrigues e direção de Nill Amaral. No palco, Richard Lima, Ethieny Karen, Amanda Dim, João Arce, Vinícius Del Vecchio, Danielle Samara, Leandro Faria e Carlos Alexandre Melo. No sábado, teve início com apenas 13 minutos de atraso (algo raro nas peças teatrais por essas bandas), já impressiona justamente pela atitude atores-plateia num formado conjunto que todos possam unir sentimentos, formatos, buscas, razões e principalmente o universo de cada um no palco e suas particularidades.

 

Vão dizer… existe um roteiro com começo meio e fim em Pedra Bruta. Acredito que não, justamente porque os “aprendizes” de teatro não estavam se importando com isso e nem mesmo o diretor. A peça poderia sim ter esse início quase bibliográfico de cada um dos atores que contam em gravações, a importância de estar no palco. No entanto, esse começo, meio e fim não existe nessa peça, e por isso mostra-se interessante e gratificante para o expectador. Uma peça que pode “iniciar” pelo fim, passar pelo meio e “encerrar” no começo. Mesclar canções de Freddie Mercury, John Lennon e Nelson Gonçalves foi uma sacada gostosa e inteligente. Sonoridade e iluminação de primeira linha. A razão de atuar é mostra claramente nesse enredo cativante e com uma direção que me fez lembrar até mesmo o saudoso diretor e ator mineiro Ronaldo Brandão que sempre provocava com seus textos, a chama da verdadeira arte de interpretar.

Os quadros –  a cada instante da peça mostram o cotidiano normal em que vivemos, mas nada para se surpreender, pois é a normalidade em que vivemos. O interessante, é que esses “amadores”, “imperfeitos”, mostraram sim, graduados e profissionais incansáveis em busca desse espaço que é a liberdade de interpretar, sem medo, receios ou dúvida de um tempo que atravessa além do palco. Sair de casa para assistir “Pedra Bruta” foi deixar-me ficar suavemente feliz em saber que o nosso teatro vive e muito bem! Os atores foram totalmente lapidados por uma direção competente e com um profissionalismo ímpar. Todos foram bem esculpidos e viraram pedras brilhantes.

* O autor da crítica, é jornalista, atual editor-chefe do Jornal O Estado e alguém apaixonado pela cena cultural de Mato Grosso do Sul, há pelo menos três décadas.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.