Aberta a exposição fotográfica do Projeto Nosso Olhar no MIS

Divulgação/MIS
Divulgação/MIS

De 10 de janeiro até 20 de fevereiro o MIS (Museu da Imagem e do Som) abre as portas para que todos possam ver 58 imagens contando um pouco do cotidiano das crianças e adolescentes do bairro Noroeste, região carente afastada do centro da cidade.

Com um celular na mão e a orientação das fotógrafas idealizadoras do projeto, Vânia Jucá e Regina Nogueira , as crianças e adolescentes de 7 a 15 anos revelam um pouco do cotidiano das ruas, dos quintais, casas e da vida na comunidade.

São lugares por onde os moradores passam quase todos os dias, dessa vez revelados com cuidado no enquadramento e atenção para a luz, elementos indispensáveis para a boa fotografia. Ana Clara de Souza, de 7 anos, quis tirar fotos da sua casa, “porque eu acho tudo nela lindo, minha casa , as nossas coisas, tudo é bonito e eu quis  deixar ela nas fotos”.

Divididos em cinco turmas nas oficinas realizadas em agosto e setembro passados, esses garotos e garotas vivenciaram uma viagem ao mundo da fotografia, experimentando a sensação de construir e fotografar com a câmara escura e se divertindo com o zootrópio, um tambor circular que reproduz a sensação das animações em desenho.

Com Vânia e Elis Regina os alunos conheceram técnicas de fotografia como temperatura de cor, velocidade, diafragma, como congelar e como borrar movimentos, e experimentaram aplicativos que permitem a pós-produção em imagens registradas a partir do celular.

Também foi uma oportunidade para abrir a mente e o olhar para experimentações, em um tempo onde a tecnologia, tão acessível, nem sempre contribui para estimular a imaginação e curiosidade. As aulas foram um convite para incentivar a criatividade.

Todas as oficinas contaram com palestras de alunos e professores do Laboratório de Estudos Rurais e Regionais do Curso de Geografia da FAENG – UFMS, que foram conversar com meninos e meninas sobre “Paisagens, símbolos e significados”.

Amigos de Maria

O resultado da oficina é uma oportunidade para a Associação Amigos de Maria, aprofundar a compreensão que os moradores têm do bairro e uma forma de colaborar para a definição dos processos de intervenção no Jardim Noroeste.

Um dos artistas expostos, Diogo Natan, de 8 anos conta que eternizou a árvore da casa da avó, “é uma árvore bonita, que dá flores e eu tirei a foto dela um dia nates de cortarem a metade pra construir um muro, então agora posso ver ela pra sempre na minha foto”.

(Com informações da assessoria)

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.