21 outubro 2020, 4:02
Foto: Divulgação

Cufa lança na próxima semana o projeto “Mães da favela ON”

A Central Única das Favelas (Cufa) lança na próxima semana o projeto “Mães da Favela ON”. A iniciativa, resultado de uma parceria com a TIM Brasil, Alô Social e Comunidade Door, visa conectar os moradores das comunidades de todo o país. O lançamento ocorre na quinta-feira (24).

A ação irá disponibilizar 20 pontos de Wi-Fi livre em 150 favelas brasileiras e distribuir 500 mil chips para mães da comunidade. No Mato Grosso do Sul, é prevista a entrega de 4 mil chips. Os dispositivos serão distribuídos em Campo Grande, Corumbá, Dourados e Três Lagoas.

Conforme informações da Cufa, o cadastro dos chips poderá ser feito com as respectivas lideranças das comunidades alvo do projeto. Além disso também é estimado que os chips alcancem cerca de 5 mil territórios brasileiros.
O Mães da Favela ON é uma iniciativa que promove a conectividade das favelas no país e possibilita a democratização do acesso, possibilitando a reaproximação das pessoas da favela com a educação, o trabalho e a geração de renda.

Um dos fundadores da Cufa, Celso Athayde, comenta sobre o protagonismo da mulher na favela e a importância de existir projetos como o Mães da Favela ON. “Muita vezes a gente levava o feijão e ela não tinha dinheiro para poder comprar o gás, para poder cozinhar esse feijão, então a gente entendeu que era muito importante também a gente levar para essas mães uma coisa chamada autonomia e isso realmente tem feito muita diferença”.

Pesquisa do Instituto Data Favela mostra que 46% das crianças das comunidades que serão beneficiadas, e estão em idade escolar, não tem assistido as aulas durante a pandemia. Segundo o Instituto, 84% dos internautas de comunidades terminam o pacote de dados muito antes do programado.

(Com informações da assessoria da Cufa)

Veja também

Dom Aquino em visita a Campo Grande quando era governador de Mato Grosso.

Padre Tiago Figueiró doa livro sobre origem do Cabreúva

Biblioteca Isaías Paim recebeu a visita do religioso que entregou o registro histórico Em visita …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *