25 fevereiro 2021, 1:07
Divulgação

Itália bloqueia TikTok após morte de menina de 10 anos

O governo italiano ordenou o bloqueio do TikTok, depois da morte por asfixia de uma menina de 10 anos. A suspeita é que ela participava de um desafio em que era preciso ficar o maior tempo possível sem respirar, chamado de “Blackout Challenge” (desafio do apagão).

Segundo investigadores de Palermo, onde ela vivia, a menina morreu após amarrar um cinto no pescoço, enquanto fazia um vídeo para o aplicativo. A Promotoria da cidade siciliana investiga possível incitação ao suicídio.

O bloqueio na Itália acontece uma semana depois que o aplicativo anunciou novas regras para proteger usuários de 13 a 15 anos, mas, segundo o Fiador (órgão de defesa da privacidade italiano), a rede social precisa demonstrar que é capaz de comprovar a idade dos inscritos e de cumprir a lei italiana (que exige consentimento explícito dos pais para menores de 14 anos) e suas próprias regras, que proíbem acesso a menores de 13 anos.

O Fiador determinou bloqueio até 15 de fevereiro do acesso de usuários cuja idade não possa ser verificada —o que, na prática, inclui todos os 8 milhões de inscritos no país. A multa é de até 4% do faturamento.

O porta-voz da rede social afirmou que a decisão da agência italiana está sendo analisada. “Privacidade e segurança são prioridades máximas e estamos constantemente trabalhando para fortalecer nossas políticas, processos e tecnologias para proteger toda a nossa comunidade e nossos usuários mais jovens em particular”, afirmou em nota por e-mail. De propriedade da chinesa ByteDance, o aplicativo se tornou um dos mais populares entre jovens no mundo.

A agência italiana já havia aberto um caso contra o TikTok em dezembro de 2019, por não proteger menores de idade. Pelo mesmo motivo, o aplicativo foi multado há dois anos nos EUA.

Os vídeos marcados com a hashtag #blackoutchallenge tinham até esta sexta (22) 24 milhões de visualizações, mas entre os que estão disponíveis na manhã deste sábado não há sugestões explícitas de sufocamento.

O TikTok diz ter removido 104 milhões de vídeos com conteúdo considerado impróprio no primeiro semestre de 2020, segundo o jornal italiano Corriere dela Sera.

Veja também

Colômbia volta ao confinamento e Argentina anuncia toque de recolher

Mais de 30 milhões de pessoas entraram em um confinamento mais rígido na Colômbia por cinco …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *