27 janeiro 2021, 16:39
Issei Kato

Japão e EUA passam a exigir teste negativo da COVID-19 para entrada no país

O Japão começou a solicitar que todos os viajantes vindos do exterior que desembarquem no país mostrem um atestado de que receberam resultado negativo para o coronavírus no período de 72 horas antes de terem deixado o local de origem.

A medida entrou em vigor hoje (13), após declaração de estado de emergência em Tóquio e três províncias vizinhas na semana passada. No Aeroporto de Narita, perto de Tóquio, autoridades já verificavam os resultados de testes de passageiros em desembarque e conduziam exames adicionais.

Os atestados devem, agora, ser apresentados por todos que entram no país, incluindo cidadãos japoneses e certas categorias de estudantes estrangeiros, que haviam sido excluídos da medida anteriormente.

Aos passageiros que não apresentarem os documentos será solicitado que fiquem de quarentena em acomodações designadas e realizem testes para o coronavírus no terceiro dia. Mesmo que o resultado seja negativo, a pessoa será requisitada a cumprir auto-isolamento em casa ou em outros locais por 14 dias contados a partir da data de chegada.

A entrada nos Estados Unidos só será permitida, a partir de 26 de janeiro, a passageiros que apresentem um teste da COVID-19 negativo, anunciaram as autoridades.

De acordo com o Centro para o Controle de Doenças, o teste só será aceito se tiver sido realizado nos três dias anteriores à partida do voo para os Estados Unidos.

As companhias aéreas serão obrigadas a impedir o embarque de passageiros que não possuam teste negativo ou, em alternativa, prova de que tenham se recuperado de uma infeção do novo coronavírus.

Em comunicado divulgado pelo CDC, o diretor do Centro, Robert R. Redfield, admite que os testes “não eliminam todos os riscos” de propagação do vírus, mas “quando combinados com um período de isolamento e precauções cotidianas, como o uso de máscaras e distanciamento social, podem tornar as viagens mais seguras, saudáveis e responsáveis, contendo a propagação nos aviões, aeroportos e locais de destino”.

Com Agência Brasil

Veja também

AstraZeneca diz que não tem vacinas disponíveis ao mercado privado

A farmacêutica AstraZeneca, que desenvolve uma vacina contra o novo coronavírus em parceria com a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *