5 dezembro 2020, 22:13
Reprodução/Internet

As origens do cinema em Campo Grande/MS

Maria Eduarda: Estudante de cinema e artes visuais na American University em Washington E.U.A.

Gosto de cinema e cultivo imenso carinho pela história do cinema do sul de Mato Grosso, particularmente da cidade de Campo Grande que, na primeira década do século XX, quando o município não contava ainda com energia elétrica, começou a ofertar a uma parte da população aquilo que ficou conhecido como a sétima arte.

Era algo ainda embrionário, porque essa dimensão artística dava seus primeiros passos no Brasil. O cinema chegou ao País na virada do século XIX para o XX. Nessa época, as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais importantes começaram a disponibilizar esse tipo de serviço, que representava enorme novidade. Era um passo muito avançado em relação à fotografia. A indústria cultural conquistava espaços importantes, porque a ideia de lazer passou a ser um direito da população.

Campo Grande era um progressista município do interior de Mato Grosso, quando o cinema aqui chegou. Havia em toda cidade pouco mais 30 mil pessoas. A expectativa da sociedade era o término da construção da ferrovia que ia permitir interligar a cidade com os grandes centros da época. E o trem era a esperança de dias melhores para o município, por isso migrantes de vários continentes escolhiam a Cidade Morena para viver e trabalhar.

O cinema era uma coisa relativamente distante, no início do século passado, embora uma parte da população que migrou da Europa para o sul de Mato Grosso já o conhecesse. Afinal, os registos históricos indicam que, desde o ano de 1896, as imagens em movimento encantam as pessoas no mundo.
A presença da sétima arte em Campo Grande expressou, claro, o papel econômico e social que a cidade começava a desempenhar. Havia estratos sociais que podiam “consumir” arte, assim os caixeiros viajantes, com suas máquinas mirabolantes, adotaram o mercado campo-grandense como rota para suas apresentações.

O primeiro cinema que se instalou em Campo Grande chegou pelas mãos do italiano Rafhael Orrico, no ano de 1910. Relata a jornalista e pesquisadora Marinete Pinheiro (2008), que Orrico hospedou-se no Hotel Democrata e ali montou a estrutura do seu cinema, que funcionava a céu aberto e as imagens eram refletidas em um imenso pano branco colocado em uma das paredes do hotel.

Não havia cadeiras nem o mínimo de conforto para quem ia assistir ao espetáculo. Cada expectador encontrava um jeito de se acomodar e se divertir com as imagens em movimento. Essa era a realidade de Campo Grande e da imensa maioria das cidades brasileiras.

Ademais, ainda de acordo com Marinete Pinheiro (2008), os frequentadores do chamado Cine Brasil, nome fantasia daquele espetáculo, acomodavam-se em tábuas rústicas colocadas sobre caixotes. Algumas vezes, era necessário levar o próprio assento, com o nome gravado, para não o perder. Os mais aventureiros subiam nas árvores para assistir às cenas trazidas por Orrico.

Como a cidade era bastante fria e não havia proteção contra o vento, os presentes eram aquecidos com chocolate quente. Era uma aventura lúdica que a sétima arte provocava e que continua desafiando mentes e corações que buscam a telinha para se alimentar de cultura.

Em função do sucesso do cinema de Orrico, a pequena Campo Grande passou a receber sistematicamente outros caixeiros viajantes, que sabiam que era um bom negócio ofertar sua arte na cidade. A partir de 1912, então, ela ganhou sua primeira sala exclusiva para cinema. Depois vieram outras. Mas essa história quero dividir com os leitores no próximo artigo.

 

Veja também

História da Uniderp

Eu e a professora Therezinha, minha irmã, acabamos de escrever o livro – Mace um …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *