26 novembro 2020, 22:07
Nilson Figueiredo

Juliano Gogosz quer levar à Câmara mandato popular

Microempresário e assessor de deputado, mas afastado para a disputa, Juliano Gogosz, traz 17 anos de política para que o PDT possa ajudá-lo a ser vereador de Campo Grande. Ele acredita que tem empresários eleitos, e só vereadores que não vão ao encontro de anseios do trabalhador.

O candidato a vereador quer devolver à Câmara Municipal o mandato popular, que defenda os diretos dos trabalhadores. Ele carrega exatamente esse direito, a defesa da juventude e do esporte.

Juliano Gogosz disse que em 2003 criou a Secretária Municipal de Juventude e quer retomá-la, já que hoje diminuiu e é uma subsecretaria.

“Quero que o jovem tenha oportunidades e seja protagonista. Além disso, o esporte precisa ter toda a atenção. Esporte traz vida e saúde. Nossa cidade está abandonada nesta área. Quero tornar o conselho municipal do esporte deliberativo. Quero trabalhar pelo anseio das pessoas porque a Câmara não discute transporte público com os 100 mil usuários por dia. Não existe mais integração e não vimos nenhum vereador discutindo o assunto. São 15 reais por dia pegando três ônibus ou mais. Me surpreende o prefeito e os vereadores perdoarem dívidas de 2 milhões de reais do Consórcio Guaicurus”, pontuou.

O candidato a vereador reforça que a Câmara ficou calada e foi omissa diante dos problemas de Campo Grande. “Quero defender as pessoas que precisam do aparelho público, que não têm remédio, que não têm atendimento, as pessoas estão morrendo e a cidade está morrendo. Tem muitas obras de asfalto e tapa buraco, não deixa de ser importante, mas tem outras questões cruciais como a saúde da população. Nós também não temos empregos. Já estava difícil antes da pandemia, agora várias pessoas perderam emprego e empresas fecharam”, avaliou.

O sonho de Juliano Gogosz é criar políticas públicas de desenvolvimento de empregos. “Quero desenvolver o mandato popular para a cidade. Trazer o povo para a Câmara. Não quero sentar na cadeira e me vender para o prefeito. Vou resgatar todos os movimentos sociais, de minorias, movimento negro, movimento sem-terra, quero ser instrumento da população e não do prefeito. Vou ser representante do povo e não do prefeito e esse é meu sonho. Também aposto que Dagoberto Nogueira (PDT) será prefeito de Campo Grande e vai fazer um governo para o povo, não para a elite. Temos que trabalhar para a periferia, para os bairros e para o centro. Dagoberto vai cuidar das pessoas, estou firme com ele e vou no 12”, finalizou.

(Texto: Rafaela Alves)

Veja também

Na Capital, 1 em cada 4 eleitores deixou de ir às urnas

Muito mais que o medo da pandemia, o descrédito com o cenário político e a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *