27 novembro 2020, 11:13
Reprodução

É injustificável extensão do auxílio em 2021, diz Guedes

Em declaração feita durante a abertura da conferência de negócios US-Brazil Connect Summit, nesta segunda-feira (19), o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou que é contra a prorrogação do auxílio emergencial em 2021. De acordo com ele, essa despesa tem caráter transitório e sua extensão é “injustificável“.

Também nesta segunda-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro disse rejeitar a extensão do coronavoucher (como parte do governo se refere ao auxílio emergencial) no próximo ano para cumprir a regra do teto de gastos (que limita as despesas da União). “Eu sei que R$ 600 é pouco para quem recebe, mas é muito para o Brasil; são R$ 50 bilhões por mês. Tem de ter responsabilidade para usar a caneta”, afirmou.

Em suma congressistas favoráveis ao governo estudam a hipótese de prorrogar o estado de calamidade em 2021. Mas com isso, o governo poderia pagar o auxílio emergencial até março e ganhar tempo para formular Renda Cidadã, novo programa social que amplia o Bolsa Família. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), diz ser contra a extensão do estado de calamidade.

 

(Com informações: Poder 360)

Veja também: Brasil e EUA concluem acordos para facilitação de investimentos

 

Veja também

Câmara aprova subsídio de 4,17% ao prefeito e para vice

A Câmara de Vereadores de Campo Grande aprovou ontem (26), em única discussão, o Projeto …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *