30 outubro 2020, 0:57
Arquivo/Internet

Abordados durante toque de recolher aumentam 195%

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) abordou 1.446 pessoas desrespeitando o toque de recolher neste último fim de semana do mês em Campo Grande.

O número é 195% maior que o registrado no fim de semana anterior, quando 490 pessoas foram orientadas a retornarem e permanecerem nas residências.

Este foi o segundo fim de semana do toque de recolher com horário das 00h às 05h. Na sexta-feira (25), 570 pessoas foram abordadas, 50 estavam aglomeradas em uma conveniência na avenida Ceará.

No sábado (26) o número de pessoas flagradas foi de 584 e no domingo (27) de 292. As denúncias ocorrem por meio do telefone 153, mais de 500 denuncias por parte da população.

Durante o fim de semana quatro festas foram finalizadas e duas pessoas foram encaminhadas para delegacia.

De acordo com o secretário municipal de Segurança e Defesa Social, Valério Azambuja, o fato não tem uma explicação técnica.

“A impressão que tenho é que as pessoas estão achando que a doença não existe mais, que o perigo acabou. A doença pode estar estabilizada aqui em Campo Grande, mas não significa que podemos abusar. Podemos voltar a ter o patamar que a doença alcançou em junho, julho e agosto. As pessoas precisam ser conscientes, não e o momento para aglomerações”, explicou.

O secretário afirmou ainda que a medida de segurança para evitar o contagio do novo coronavírus já não tem a mesma eficácia que no início da pandemia.

Ainda mais, a prefeitura estuda a possibilidade de suspender o toque de recolher a partir de 1º de outubro.

“Na próxima reunião vamos avaliar se mantém ou suspende o toque de recolher. Na minha visão a medida já não tem mais o efeito técnico do começo da pandemia. As aglomerações estão acontecendo a todo momento”, assegurou.

Por outro lado, o procurador geral do município, Alexandre Ávalo, avaliou que ainda não é a hora de suspender o toque de recolher em Campo Grande.

“Os números estão em estabilização para queda, mais o COVID ainda está ai, então não sei dizer se, tecnicamente, esse seria o momento certo. Mas, essa é uma tendência ”, ressaltou.

(Texto: Rafaela Alves)

Veja também

Menina de quatro anos morre atingida por raio em praia do RJ

Uma menina de quatro anos morreu ontem ao ser atingida por um raio na praia …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *