9 agosto 2020, 8:06
Foto: Wanderson Lara

Ex-guarda municipal, Michael Fagundes quer ser vereador para dar justiça à categoria

Exonerado por questões políticas, de acordo com o próprio ex-guarda municipal Michael de Albuquerque Fagundes, 35 anos, ele agora é pré-candidato a vereador pelo PSL. Sua filiação aconteceu antes das eleições de 2018 e agora ele quer melhorias para sua antiga classe de trabalho.

“Fui exonerado por questões políticas. Eu reclamei do uniforme que eles queriam que a gente comprasse em vez de nos fornecer o mínimo. Eles ainda exigem outras coisas que são exigidas só no Exército. Nos dão apenas armas letais como os calibre 22 e 38. Não temos a arma de condução elétrica, apesar de termos a capacitação para utilizá-la. Estou entrando com recursos. Mas, como pré-candidato minhas bandeiras são pela segurança pública, direitos dos animais e inclusão das pessoas com necessidades especiais”, explicou.

Fagundes quer levantar pautas da inclusão, sabendo diretamente das pessoas nesta situação o que é necessário para melhorar a vida deles. O pré-candidato também quer valorização e infraestrutura para o guarda municipal. “Não há condições de serviço. Nosso único recurso são as armas letais, mesmo com cursos para usar materiais não letais, não há equipamentos. Os coletes à prova de bala são coletivos. Até funcionários com coronavírus utilizam e repassam. Eles não são afastados. É um descaso total”, pontuou.

(Veja mais na página A3 da versão digital do jornal O Estado)

Veja também

Prefeitura determina novo horário para cemitérios da Capital

A Prefeitura de Campo Grande, por meio do decreto n. 14.410, estabeleceu nesta sexta-feira (07) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *