9 agosto 2020, 8:13
Crédito: Nilson Figueiredo

Galeano vê desvantagem para pré- candidatos radialistas

O radialista Izomar Galeano, 43 anos, deixou o nome à disposição para ser vereador pelo Podemos em Dourados. Atuante na área da saúde, Izomar está alarmado com as novas mortes causadas pelo novo coronavírus (COVID-19) na cidade.

Dourados tem mais de 3 mil casos confirmados de COVID-19 e 15 mortes causadas pela doença. De acordo com Izomar, o hospital atende 33 cidades e não tem mais leitos. São 25 anos de profissão onde o que mais fez foi tentar solucionar os problemas da saúde que os cidadãos levavam até ele.

Ele vê uma desvantagem grande ter que sair do seu programa Domingo na Band, três meses antes das eleições. “Ficamos sem salário e as pessoas nos esquecem, mas me filiei ao Podemos justamente por achar ter mais chance neste partido que busca a igualdade de oportunidades”, destacou. Izomar Galeano explicou a situação.

“Temos vantagem por estar no ar, mas afastados perdemos a vantagem. Ficamos em igualdade e desempregados. Por isso, 90% dos radialistas se decepcionam nas urnas. Falam com 20, 30, 100 mil pessoas e na hora de ter um retorno são 200 votos. Mas, o motivo é que muitos ouvintes acham que vamos sair da rádio e não voltar mais. Ouvi um amigo radialista dizer isso e é real”.

Izomar lista alguns radialistas que concorrem ou foram eleitos. “Temos radialistas eleitos como Lucas de Lima e Marçal Filho. Outros que tentam como João Hermes, Peiretti, Sudário, Nunes, Antonio Carlos, Antonio Coca, Antonio Neris… O rádio é um vício. Você se apega e fica doente ao se afastar. Hoje não podemos beijar, abraçar e participar de eventos. É uma eleição atípica. Não vai ser corpo a corpo, vai ser whats a whats”, contou.

Para Izomar Galeano Projeto de vereador é utopia. Vereador nenhum pode prometer porque quem executa é prefeito. Você tem ideias e fiscaliza. Eu milito muito na área da saúde ajudando a resolver situações que como radialista e jornalista recebo. Poderia publicar e denunciar, mas vou atrás de resolver”, revelou.

Conforme Izomar, o vereador vê a situação de quanto pior melhor para ele. “Temos só o Hospital da Vida, uma UPA e quatro ambulâncias. A cidade atende toda a região que agrega 33 municípios, o que acaba prejudicando a população local. Temos que atender toda a demanda, mas precisamos ter mais hospitais e Unidade de Pronto Atendimento”, pontuou.

Izomar Galeano questiona onde está o fiscalizador, o vereador da cidade. “Falta estrutura e condições de trabalho. Falta iluminação pública, asfalto e as pessoas nos veem como salvador da pátria, mas estamos apenas fazendo o que um vereador deveria fazer”.

“Então, por que não deixar o nome à disposição para ampliar as soluções? Falta transporte público e vagas nas creches, principalmente no fim e começou do ano quando acabam as licitações e se esquece de abrir novas”, disse.

Por isso, o sonho de Izomar é chegar na cidade e ver ao contrário do que acontece. “Meu sonho é ver o município ter no mínimo o mínimo. É direito dele. Quando falta emprego, falta pão e a fome não espera”, refletiu.

Veja também: Congresso prorroga validade de três Medidas Provisórias

(Texto: Rafael Belo/ publicado no site por Karine Alencar)

Veja também

Prefeitura determina novo horário para cemitérios da Capital

A Prefeitura de Campo Grande, por meio do decreto n. 14.410, estabeleceu nesta sexta-feira (07) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *