3 julho 2020, 19:32
Crédito:Reprodução Internet

Remédio testado e aprovado contra covid-19 custa US$ 3.120

A Gilead Sciences, fabricante do primeiro tratamento para a covid-19 que funcionou em ensaios clínicos, o remdesivir, disse nesta segunda-feira, 29, que cobrará aos hospitais dos Estados Unidos US$ 3.120 pelo paciente típico com seguro privado.

Logo após o anúncio, o governo Trump disse que havia garantido quase todo o suprimento da empresa para uso em hospitais americanos até setembro, com um contrato para 500 mil ciclos de tratamento, que disponibilizará aos hospitais pelo preço da Gilead.

Outros países desenvolvidos pagarão 25% menos que os Estados Unidos, um desconto que a Gilead disse refletir a necessidade de tornar o medicamento o mais amplamente disponível possível em todo o mundo.

A empresa licenciou fabricantes de genéricos para produzir o medicamento para países em desenvolvimento que receberão o tratamento “a um custo substancialmente mais baixo”, afirmou a empresa.

O anúncio da Gilead resolve uma questão persistente acerca de um medicamento que demonstrou ter um benefício modesto, mas continua sendo a única medicação autorizada pela Food and Drug Administration (FDA, agência que regulamenta medicamentos nos Estados Unidos) para tratar pacientes hospitalizados com covid-19.

O ensaio clínico patrocinado pelo governo mostrou que o medicamento — criado pela Gilead, mas desenvolvido em grande parte por agências financiadas pelos contribuintes — acelerou as recuperações hospitalares em quatro dias. Não teve impacto estatisticamente significativo na sobrevida de pacientes com covid-19.

Estabelecer um preço para um novo medicamento no meio de uma pandemia representava um desafio sem precedentes, disse a Gilead. Cortar quatro dias de custos hospitalares para cada paciente significa uma economia de US$ 12 mil para o sistema de saúde dos Estados Unidos, disse a empresa. Com base nessa referência, a Gilead sugeriu que isso poderia ter justificado um preço mais alto.

“Como em muitos aspectos dessa pandemia, estamos em um território desconhecido ao precificar o remdesivir”, escreveu o presidente e CEO da Gilead, Daniel O’Day, em uma carta aberta na segunda-feira. “À medida que o mundo continua se chocando com o impacto humano, social e econômico dessa pandemia, acreditamos que atribuir o preço do remdesivir bem abaixo do valor é a coisa certa e responsável a se fazer. ”

A Gilead disse que gastará US$ 1 bilhão para desenvolver e fabricar o remdesivir até o final de 2020. A empresa inventou o medicamento cerca de 10 anos atrás, quando procurava tratamentos para a hepatite C, mas não o desenvolveu. Mais tarde, o potencial do medicamento como antiviral para doenças emergentes foi explorado por meio de uma parceria com o governo. Os contribuintes gastaram pelo menos US$ 70 milhões com o desenvolvimento do medicamento, de acordo com os defensores.

Uma análise independente realizada na semana passada pelo Institute for Clinical and Economic Review disse que a Gilead poderia recuperar seus custos distribuindo o medicamento por preços entre US$ 1 a US$ 60 por dose, ou US$ 100 a US$ 160 por dose, se todos os custos da empresa em 2020 fossem levados em consideração .

De acordo com os preços de segunda-feira, a Gilead fixou o preço em US$ 520 por dose nos Estados Unidos e US$ 390 por dose em outros países desenvolvidos. A Gilead disse que são necessárias seis doses, enquanto o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS, na sigla em inglês) disse que estava usando uma média de 6,25 frascos em seus custos estimados para hospitais.

Membros do Congresso e defensores dos consumidores disseram na segunda-feira que a Gilead estava tentando lucrar injustamente com uma invenção apoiada pelos contribuintes em meio a uma pandemia.

“Estamos no meio de uma crise de saúde global”, disse a deputada democrata do Colorado Diana DeGette, que preside o Comitê de Supervisão e Investigações de Energia e Comércio. “Precisamos garantir que qualquer tratamento com potencial para salvar vidas esteja disponível para todos aqueles que precisam, não apenas para quem pode pagar.”

O deputado democrata do Texas Lloyd Doggett disse que a Gilead estabeleceu “um preço ultrajante para um medicamento muito modesto, cujo financiamento dos contribuintes a fez economizar após uma série de falhas”. Ele criticou o governo Trump por não exigir um preço mais baixo em seu contrato para os primeiros 500 mil ciclos de tratamento.

“Em uma demonstração grotesca de arrogância e desrespeito ao público, a Gilead precificou em vários milhares de dólares um medicamento que deveria ser de domínio público”, disse Peter Maybarduk, diretor do grupo sem fins lucrativos para o acesso a medicamentos Public Citizen. “A Gilead não fez o remdesivir sozinha. O financiamento público foi indispensável em cada estágio, e os cientistas do governo lideraram a equipe de descoberta do medicamento. Permitir que a Gilead estabelecesse os termos durante uma pandemia representa um colossal fracasso de liderança por parte do governo Trump.”

Até setembro, o HHS distribuirá o medicamento aos departamentos estaduais de saúde com base no número de pacientes hospitalizados com covid-19, informou a agência. Os departamentos estaduais de saúde, então, distribuirão o medicamento para hospitais com base na necessidade – o mesmo processo que o HHS empregou para uma doação de 120 mil ciclos de tratamento do medicamento, cuja distribuição final será feita na segunda-feira.

(Texto:Ana Beatriz Rodrigues com informações do Site Terra)

Veja também

MS atualiza para 107 mortes e 9.388 casos confirmados

Com mais 326 exames positivos para o novo coronavírus (Covid-19) nas últimas 24 horas, o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *