13 julho 2020, 12:57
Crédito: Divulgação

Driblando as dores físicas durante o isolamento social

Devido ao coronavírus, o tempo em casa aumentou. Neste contexto, tem gente sofrendo com incômodos musculares

O isolamento social causado pela pandemia do coronavírus provocou uma mudança severa na rotina das pessoas. Sem poder sair de casa para realizar as atividades diárias, a população tem enfrentado alterações emocionais e físicas.
De acordo com a professora doutora do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande, Lilian Assunção Felippe, observa-se neste período o surgimento, com maior frequência, de dores musculares e articulares, que podem ser associadas a fatores, como: sedentarismo, postura inadequada no home office, alterações no sono ou até mesmo em exercícios realizados de forma errada.

“Podemos afirmar que o nosso corpo é uma ‘máquina’ feita para o movimento e quanto mais parada essa máquina permanece, mais propício estará ao surgimento de dores”, afirma.

Segundo a especialista, o movimento ajuda a melhorar a circulação sanguínea, nutre o organismo, reduz a pressão arterial, ativa e fortalece músculos, estimula a densidade óssea, além de reduzir o estresse e a ansiedade.

Outra questão importante é a postura correta para as atividades. O home office surgiu como alternativa de trabalho para a maioria das pessoas, mas, alguns não possuem local específico para o trabalho e acabam adotando uma postura inadequada.

Quando se está na frente de um computador, o monitor ou tela, devem estar na altura dos olhos para não termos sobrecarga do pescoço (coluna cervical). Atividades domésticas também podem ser um problema. “Para realizar a limpeza da casa, por exemplo, é necessário manter uma postura adequada e realizar períodos de pausas. Se a pessoa já possuía alguma dor ou problema físico antes deste período, as dores podem ser intensificadas”, explica.

Há também aqueles que não estavam acostumados a fazer atividades físicas e, durante o isolamento social, iniciaram de forma intensa. O resultado é lesões indesejadas. “Os exercícios devem ser realizados de forma orientada e gradual. Há diversas opções para auxiliar as dores físicas, como: exercícios de alongamento, fortalecimento e respiratórios. O fisioterapeuta pode prescrever atividades físicas adequadas para cada indivíduo, além de orientar sobre a postura correta para a realização de cada tarefa”, afirma Lilian.

O Coffito (Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional), permite o atendimento de fisioterapia não presencial por meio de teleconsulta, telemonitoramento e teleconsultoria. O Coffito informa ainda que o fisioterapeuta tem autonomia para identificar quais pacientes podem ser atendidos ou acompanhados à distância. Portanto, o profissional da saúde é indispensável para auxiliar na identificação dos sintomas de dores físicas relacionadas ao isolamento social e a melhor forma para o tratamento.

Confira também :

Doação de sangue não pode parar durante a pandemia

(Texto: Bruna Marques)

Veja também

Organizando o home office

Especialista compartilha sugestões para tornar mais produtiva a rotina de trabalho em casa Com a …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *