28 janeiro 2020, 16:18
Crédito: Valentim Manieri

Escorpiões: saiba como evitar esse perigoso intruso em casa

O verão chegou e com ele o clima propício para a proliferação de escorpiões. O calor contribui para o seu acasalamento no período entre os meses de dezembro a março. Como se não bastasse, devido ao intenso calor, os escorpiões também costumam sair de seus esconderijos em busca de alimento, principalmente as baratas.

O escorpião é um dos animais terrestres invertebrados mais antigos da Terra. Seu exoesqueleto permitiu explorar o ambiente terrestre. Eles são invertebrados artrópodes, da classe dos aracnídeos e da ordem Scorpiones.

Estes animais compõem em torno de 2000 espécies espalhadas pelo mundo, menos na Antártida. Apesar de algumas espécies se adaptarem nos climas mais intensos (próximo a 0° ou 50°), a maior parte delas prefere temperaturas entre 20° e 40°. No fim da cauda do escorpião existe um segmento chamado telson e as glândulas de veneno, popularmente conhecido como ferrão. Seu veneno contém substâncias neurotóxicas, enzimas, histaminas, entre outras. Todos os escorpiões produzem substâncias tóxicas, mas menos de 30 espécies podem causar a morte em humanos.

No Brasil, as duas espécies mais comuns em acidente são o escorpião amarelo (Tityus serrulatus) e escorpião preto (Tityus bahiensis). A picada de um escorpião causa muita dor local, febre, sudorese, dispneia e pode levar a óbito, principalmente em crianças e idosos. Em caso de picada, lavar com água e sabão, manter a região em repouso e procurar um posto de saúde com urgência, para que receba o soro que neutralizará a toxina. Dependendo da quantidade de veneno inoculada, o caso se torna mais grave. Uma dica importante é que nunca, em hipótese alguma, faça torniquete no local onde houver picada de escorpiões.

Em entrevista recente à editoria de Cidades do Jornal O Estado, o coordenador da Civitox (Centro Integrado de Vigilância Toxicológica), Sandro Benites, apontou que a população é a principal responsável pelo aparecimento desses bichos, pois fazem acúmulo de sujeira em áreas abertas, o que facilita o aparecimento de escorpiões e até mesmo cria focos de dengue. O médico pontua que sempre que puder, é necessário dedetizar lugares como estes para evitar que acidentes domésticos aconteçam. “A maioria das casas onde passamos com CCZ [Centro de Controle de Zoonoses] tem área de ‘lixo’, com entulhos, telhas, entre outras coisas. É necessário se precaver, pois lugares onde tem baratas, pode ter certeza que tem escorpiões, pois elas são o alimento desses bichos”, diz o coordenador.

Reginaldo Mazzaro Martins, sócio-proprietário da Maranatha Pet Shop também chamou a atenção para a dedetização com a finalidade de exterminar as baratas. “A proliferação de baratas é muito grande. E automaticamente essa variedade de alimentos faz com que o bicho se reproduza facilmente. Aqui na loja, quando as pessoas buscam algum inseticida, comentam que viram escorpiões na caixa de gordura ou saindo de ralos, que são locais onde encontram-se as baratas. Nós orientamos dedetizar a casa para matar as baratas, assim eliminará também os escorpiões. Essa é uma saída para resolver o problema”, finaliza Reginaldo.

(Texto: Marcelo Rezende)

Veja também

Fogo na Austrália pode favorecer carne brasileira

Os incêndios na Austrália afetam a produção de carnes no país, o que deve abrir …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *